Um dos principais fabricantes mundiais de fluidos para usinagem, a suíça Blaser Swisslube chegou há pouco mais de quatro anos no Brasil. Nesse curto período, já conquistou importante fatia do mercado.

"Desde o primeiro momento, nossa participação no mercado brasileiro tem sido muito positiva", diz Carsten Witthüser, Gerente Geral da Blaser Swisslube do Brasil. "Nosso crescimento tem sido exponencial. Em 2005, por exemplo, o incremento deve ser de 70%."

O gerente lembra que esse desempenho é resultado de uma decisão tomada pela direção da empresa no final da década de 90, quando resolveu ampliar a presença no mercado global, iniciando-se pelos países emergentes: China, Índia e Brasil. Hoje, em todos esses mercados, a participação da empresa é considerada excelente.

Segundo Witthüser, o bom desempenho no Brasil se verifica em todos os segmentos de mercado: aeronáutico, automobilístico, de autopeças, metal-mecânico, agrícola e de tecnologia médica (implantes ortopédicos e odontológicos).

Para explicar a boa receptividade aos produtos da empresa, o gerente lembra que "a Blaser é uma empresa focada no segmento de usinagem". Além da larga experiência - em 2006 completará 70 anos de atividades -, estão os pesados investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento. Foram esses investimentos que permitiram à empresa criar uma formulação exclusiva, que Witthüser chama de branda, entre outros motivos, por não necessitar da adição de biocidas e bactericidas. "O grande diferencial de nossos fluidos é a estabilidade".

Witthüser destaca também que a relação custo-benefício é um forte argumento para a compra de seus produtos. A fórmula da Blaser somada ao conhecimento de seus engenheiros de vendas proporcionam economia de 25 a 30% dos custos totais de processo, compostos pelo reabastecimento, consumo de ferramentas, perdas de produção, manutenção e descarte. "Esses não são casos excepcionais. É a nossa média", frisa, acrescentando que estes resultados são comprovados regularmente pelos relatórios técnicos feitos em conjunto com os clientes.

A economia é evidenciada no momento da reposição. O gerente explica: "tomando um caso hipotético, de adição de 8% de fluido, misturados à água, na hora da reposição é preciso apenas de 2 a 3%, enquanto nos concorrentes é preciso repor todo o fluido, ou seja, os 8%". Isso ocorre porque os aditivos, no caso de outros fabricantes, evaporam junto com a água. "O que não ocorre com os fluidos da Blaser. Basicamente, apenas a água evapora", informa.

A Blaser produz fluidos à base de óleos minerais, vegetais e sintéticos que podem ser utilizados em todos as operações de corte de materiais, de usinagens leves a severas, incluindo retificação e afiação de ferramentas. Podem ser empregados numa variedade de materiais, como todos os tipos de aços, ferro fundido, alumínio, metais não-ferrosos e carboneto de tungstênio.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia