A Walter AG mostrou durante EMO - realizada no mês passado, na Alemanha - mais uma inovação: a PVD Tiger. Trata-se do primeiro inserto com cobertura de óxido de alumínio em PVD. Para o gerente de Produtos da Walter AG, Michael Fink, "com este lançamento estamos demonstrando nossa capacidade de oferecer ferramentas de corte para a maioria das aplicações, abrangendo desde o aço inoxidável e materiais de difícil usinagem, superligas e ligas de titânio, até aço e ferro fundido”.

Um dos focos do novo produto são as aplicações nas indústrias aeroespacial e de geração de energia, pois demonstra grande eficiência nas operações em titânio e suas ligas. As camadas de óxido de alumínio permitem que a ferramenta ganhe dureza e alta resistência ao calor. "Devido à alta tenacidade do inserto, é menor a ocorrência de microlascas, assim como a craterização é reduzida, graças à estabilidade do inserto em temperaturas elevadas", explica Fink.

Segundo a fabricante, a pastilha PVD Tiger, a exemplo da família Tiger.tec, é bicolor (preta e champanhe), e combina os benefícios de ambas as coberturas (PVD e CVD). A cobertura PVD aumenta proporciona arestas mais afiadas, mas é menos resistente ao calor e a agressões químicas que a cobertura em CVD, que tem ótimo desempenho nestes quesitos. Em contrapartida, as arestas da pastilha com cobertura CVD são mais arredondadas devido a suas camadas mais espessas e, ainda, as temperaturas elevadas durante o processo de cobertura fragilizam o substrato. "A PVD Tiger, portanto, combina perfeitamente a excelente dureza da cobertura PVD e a ótima resistência a altas temperaturas do óxido de alumínio".

O óxido de alumínio garante ótimas propriedades triboquímicas, como exemplo: a resistência ao desgaste e à craterização. A alta dureza (2300 HV) diminui lentamente, mesmo se a temperatura do processo ultrapassar 1000°C. Fink assegura: "Os processos com altas velocidades de corte, em que geralmente são usados insertos com cobertura CVD, podem agora contar com ferramentas com a cobertura PVD. Por sua baixa condutividade térmica, o óxido de alumínio forma uma camada isolante que protege a ferramenta das altas temperaturas”.

Para o gerente, essas características se traduzem em benefícios aos usuários, como o aumento da vida útil da ferramenta, segurança nos processos e até mesmo o aumento das velocidades de corte, dependendo da aplicação. A PVD Tiger, nas classes WSM35 e WSP45, estará disponível no mercado brasileiro entre outubro e novembro deste ano. A WSM35 é recomendada para aços inoxidáveis, austeníticos e materiais de difícil usinagem, incluindo superligas e ligas de titânio; já a WSP 45 é indicada para materiais de difícil usinagem e aço, alcançando bons resultados mesmo em condições desfavoráveis de usinagem.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas