A companhia siderúrgica Acesita, única produtora de aços planos inoxidáveis da América Latina, anunciou a realização de um lucro líquido de R$ 546,8 milhões, de janeiro a setembro de 2005. Como faltam apenas 50 dias para o encerramento do ano e os contratos de vendas para o período já foram fechados, a estimativa não oficial é de que o lucro anual supere R$ 720 milhões.

Há três semanas, o grupo europeu Arcelor, que detinha 27,68% do capital da empresa, adquiriu por R$ 412 milhões os 13 % em ações ordinárias que pertenciam à Caixa de Previdência Privada dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ), da Petrobrás (Petros) e da Sistel, passando a ser o controlador da empresa. Com a parte que terá nos lucros anuais, estimada em R$ 290 milhões, o grupo obterá só com os rendimentos de um único ano, o equivalente a 70% do que investiu para se tornar o proprietário da siderúrgica.

O lucro líquido no terceiro trimestre, o último no qual os fundos de pensão participaram como controladores, foi de R$ 181,4 milhões, 21,5% menor que em igual trimestre de 2004, resultado da queda nos preços e da demanda decrescente. O lucro líquido dos nove meses superou o do mesmo período do ano anterior em 29,5%.

Segundo o presidente da Acesita, o engenheiro francês Jean-Phillippe Demael, que assumiu a direção da empresa neste ano, até setembro a empresa conseguiu reduzir despesas financeiras, obteve ganhos contábeis gerados pelo impacto da variação cambial sobre a dívida em moeda estrangeira e, ainda, dos julgamentos favoráveis à Acesita de ações judiciais em questões fiscais.

O endividamento líquido de R$ 400 milhões em setembro foi 67,7% menor em relação ao mesmo mês de 2004, o que contribuiu para a diminuição das despesas financeiras que somaram R$ 10,3 milhões no trimestre, ante R$ R$ 55 milhões do ano anterior. Demael informou que a Acesita investirá R$ 165 milhões nos próximos dois anos para ampliar a produção de aços siliciosos e na instalação de um novo centro de serviços no estado de São Paulo, que entrará em operações em até um ano.

kicker: O grupo obterá com os rendimentos de um único ano cerca de 70% do que investiu para se tornar proprietário da siderúrgica

Autor(es): Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia