A conscientização de que devemos cuidar hoje do meio ambiente para não sofrermos severas conseqüências futuras é constatada a cada ano. São inúmeros os casos de catástrofes naturais decorrentes dos maus tratos ocasionados pela sociedade. Por esta razão, as chamadas tecnologias limpas estão cada vez mais presentes em nosso dia-a-dia. No Brasil, a tecnologia à base de Ozônio para o tratamento de águas e efluentes é uma alternativa que vem crescendo e conquistando mercados.

As aplicações do gás, conhecido como O3, são inúmeras. Ele pode ser utilizado na lavagem de alimentos, nos tratamentos de água e esgoto, inclusive para reuso, água de poços artesianos e torres de resfriamento, na desinfecção de vasilhames, sanitização de superfícies, reuso de água de chuva, no tratamento de CIP (Clean in Place) para indústrias farmacêuticas e de alimentos e até mesmo no tratamento de piscinas comerciais e residenciais.

A principal vantagem do Ozônio, em relação aos produtos químicos convencionais, é a não geração de subprodutos residuais maléficos à saúde e ao meio ambiente. Exemplo de subproduto residual é a cloramina (reação do Cloro com a carga orgânica presente na água), que é carcinogênica. O Ozônio gera como principal subproduto o Oxigênio puro, saudável para a natureza e benéfico à saúde. Além disso, não é preciso armazená-lo e manipulá-lo, já que o mesmo é produzido a partir do ar, no local onde será aplicado.

Conhecido e utilizado no mundo todo há mais de 100 anos, sabe-se que a Europa o utiliza em diversos segmentos por haver uma grande preocupação no uso de tecnologias limpas que não agridam o meio ambiente. Nos Estados Unidos, seu uso cresce principalmente em indústrias para tratamento de águas de processo, na piscicultura, fazendas de camarão e em grandes aquários e parques aquáticos como Disney e Atlantis Paradise Island.

Uma das principais expansões da tecnologia está no tratamento da água de cidades, em especial na Ásia, com grande crescimento econômico. Exemplos de cidades que também utilizam o Ozônio são Montreal (Canadá), Los Angeles (Estados Unidos), Paris (França) e Tóquio (Japão).

No Brasil, o Ozônio começou a ser utilizado há diversos anos, mas a tecnologia não tinha a mesma credibilidade de hoje, pois os equipamentos produzidos eram rudimentares e a produção de Ozônio pouco confiável. Seu uso comercial intensivo é recente, com grande crescimento nos últimos três anos pela empresa Panozon Ambiental S.A., que possui tecnologia 100% nacional.

Um dos principais avanços da tecnologia no país tem sido o reconhecimento do mercado em relação à sua eficiência, com a adesão da mesma por empresas de grande porte como AmBev (desinfecção de vasilhames), Farmacêutica Boehringer (CIP – Clean In Place) e Bioleve (desinfecção de superfícies). No mercado de piscinas, academias como Reebok Sports Club, Fórmula e Cia Athlética aderiram à desinfecção com Ozônio. Este reconhecimento deu-se a partir do aprimoramento dos equipamentos. Hoje eles são mais robustos, têm mais estabilidade na geração de Ozônio e as células saem de fábrica com cinco anos de garantia.

Segundo Carlos Heise, engenheiro e diretor-presidente da Panozon, esse é o melhor momento para quem pretende investir em sistemas de tratamento com Ozônio. “A utilização do Ozônio cresce em ritmo acelerado, em função dos excelentes resultados proporcionados em diversas aplicações industriais e comerciais. A tecnologia conquistou o mercado, tornou-se mais confiável e possibilitou sua comercialização a custos acessíveis no mercado brasileiro”, declara ele.

“Acredito que a aplicação do Ozônio em segmentos industriais e comerciais crescerá muito nos próximos anos. Os empresários brasileiros buscam soluções limpas, devido às restrições ambientais, e se sentem cada vez mais pressionados pela sociedade a utilizar os recursos naturais de forma responsável. Além disso, em diversas aplicações, o uso do Ozônio é mais barato que as tecnologias convencionais”, conclui.

Sobre o Ozônio

O Ozônio (O3), conhecido como Oxigênio ativo, é um gás natural encontrado na atmosfera e nos protege, como um filtro, dos raios solares malignos. Ele é um poderoso bactericida, algicida, fungicida e viricida, além de ser reconhecido como o mais seguro e eficaz método de tratamento de água do mundo.

Quando aplicado na desinfecção da água de piscinas, por exemplo, impede a formação das cloraminas (reação do Cloro com as impurezas presentes na água). Elas são as grandes vilãs das piscinas e causam ardência nos olhos, inflamação nos ouvidos, ressecamento na pele e cabelo, além de agravar problemas alérgicos e respiratórios. Também deixam cheiro e gosto desagradáveis na água.

Sobre a Panozon

Líder no mercado brasileiro de tratamento de água com Ozônio (mais de 400 sistemas instalados), a Panozon Ambiental S.A. – fundada em 1999 – possui tecnologia 100% nacional e é especializada na fabricação e comercialização de todos os equipamentos necessários para o correto tratamento da água com tecnologia à base de Ozônio, conforme normas internacionais.

Devido à credibilidade e eficiência de seus equipamentos, a tecnologia Panozon pode ser aplicada tanto na purificação da água de piscinas comerciais e residenciais quanto na desinfecção de vasilhames, tratamento de águas industriais, CIP (Clean in Place), poços artesianos, caixas d’água e águas municipais.

Autor(es): Jornal do Meio Ambiente

facebook      twitter      google+

Meio Ambiente
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Meio Ambiente