Três dias depois de inaugurar o Gasoduto da Integração Sudeste-Nordeste (Gasene), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que o investimento representa maior independência para o desenvolvimento da Região Nordeste. No programa semanal Café com o Presidente, Lula destacou que a expectativa é de que os estados nordestinos recebam duas vezes mais gás, se igualando ao que o Sudeste atualmente dispõe.

"É um gasoduto que tem uma grandeza porque é o maior gasoduto construído pelo Brasil nos últimos dez anos. O mais importante é que ele vai transportar 20 milhões de metros cúbicos de gás por dia, ou seja, vai praticamente mais do que dobrar aquilo que era a capacidade do nordeste brasileiro."

Obra do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), o Gasene recebeu investimentos de R$ 7,2 bilhões. Com 1.387 km, gerou 47 mil empregos durante a construção. Os 20 milhões de metros cúbicos diários correspondem ao dobro do consumo médio do Nordeste em 2009, que foi de 9,8 milhões de metros cúbicos por dia (21,5% do consumo nacional).

Sobre o lançamento do edital de licitação da Ferrovia de Integração Leste-Oeste, o presidente afirmou que o objetivo é contribuir para um sistema ferroviário que ajude a fortalecer a economia do País.

"Você vai ter uma ligação direta de todo o Norte e o Nordeste com o sistema ferroviário do Sul e Sudeste do país, numa demonstração de um sistema ferroviário vigoroso para garantir mais capacidade de escoamento das coisas produzidas no Brasil."

Uma das obras prioritárias do governo e incluída no PAC, a ferrovia terá seu primeiro trecho concluído em 2013 e exigirá investimentos de R$ 6 bilhões. As obras começam pela cidade de Ilhéus (BA) e terminam em Barreiras (BA), passando pelas cidades de Caetité, Brumado, Bom Jesus da Lapa e Luiz Eduardo Magalhães. A extensão total é de 1.526 km e, quando concluída, será interligada à Ferrovia Norte-Sul em Figueiropólis (TO).

Autor(es): Agência Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia