Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Indústria paulista deixa para trás os efeitos mais sangrentos da crise

Atividade do setor produtivo em SP está em franca recuperação e bate recorde a cada mês. Para a entidade, ganho de produtividade e capacidade produtiva será histórico em 2010

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


O desempenho geral da indústria paulista ainda está 2,6% abaixo do nível anterior à crise financeira, que eclodiu em outubro de 2008, mas os números do Indicador de Nível de Atividade (INA) apurado no mês de fevereiro pela Fiesp e o Ciesp mostram que a recuperação total deverá ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano.Segundo a pesquisa divulgada nesta terça-feira (30) pelas entidades, a evolução de fevereiro sobre janeiro alcançou 1,1% com ajuste sazonal, o maior percentual desde novembro de 2008, auge da crise. Sem ajuste, o crescimento foi de 0,4%.

Guinada

Outras duas bases de comparação mostram o vigor da indústria: o acumulado do ano atingiu 15,4% (janeiro e fevereiro) e é o maior da série histórica da pesquisa, desde 2003, levando em consideração que no ano passado esses meses tiveram fraco desempenho. Já o acumulado nos últimos 12 meses ainda é negativo em 3,6%, mas a tendência é que esta variação atinja rápido o nível zero.

"O efeito comparativo já configura altos percentuais de crescimento, porque a base de comparação está se livrando dos efeitos mais sangrentos da crise. Estamos em vigorosa recuperação", avaliou Paulo Francini, diretor-titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp/Ciesp.

Variáveis

Mesmo com um salto de 16,2% na atividade industrial em fevereiro, sobre o mesmo mês de 2009, o nível de utilização da capacidade instalada (Nuci) ficou estável em 76,3% nesta base de comparação (dado sem ajuste sazonal).Por trás deste efeito, segundo Francini, a combinação de duas variáveis: o aumento da capacidade produtiva, com a maturação dos investimentos feitos a partir do segundo semestre de 2009, e também da produtividade perdida com a crise. Ou seja, produzir mais com o mesmo número de horas trabalhadas.

"A corrida pelo reequipamento da indústria há de bater recordes em 2010, que será um ano comparativamente histórico para o aumento de capacidade produtiva", afirmou Paulo Francini.Para o diretor, o grande estímulo vem do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), operado pelo BNDES. Criado em junho de 2009 e inicialmente previsto para terminar em um ano, o programa foi prorrogado até 31 de dezembro e tem o objetivo de estimular a antecipação de investimentos por parte das empresas.

"O nível de utilização da capacidade sofrerá esse impacto positivo ao longo do ano. Entre a decisão de investimento e o aumento da capacidade produtiva vão aproximadamente quatro meses. Isso indica que teremos um período continuado de crescimento, e ganhos adicionais de produtividade, porque os investimentos se espalham e têm maturações distintas", explicou Francini.

Cenário pós-crise

No total da indústria, o acumulado em 12 meses ainda é negativo (-3,6%), mas sete setores já ultrapassaram o nível zero no desempenho isolado. Despontam produtos químicos e alimentos e bebidas.Na outra ponta, os últimos 12 meses ainda são piores que os 12 meses anteriores para nove atividades industriais que compõem o INA. O setor de máquinas e equipamentos aparece em último, porém, apesar de ter sofrido forte queda com a crise, tem uma das melhores taxas de recuperação.

Outro cenário traçado pela Fiesp/Ciesp mostra que seis setores já deixaram para trás os efeitos negativos, e tiveram em fevereiro um desempenho superior em relação a setembro de 2008, último mês forte antes da crise financeira. São eles:

- Alimentos e bebidas (12,5%);
- Outros equipamentos de transporte (11,8%);
- Produtos químicos (10,4%);
- Celulose e papel (7,3%);
- Máquinas, aparelhos e materiais elétricos (7,3%);
- Móveis e indústrias diversas (2,6%).

Expectativa

O Sensor Fiesp, indicador que mede a percepção dos empresários quanto ao ambiente de negócios, alcançou em março um dos melhores resultados da série, iniciada em junho de 2006: 57,7 pontos.Descontadas as boas pontuações obtidas nos meses finais do ano passado, em função da retomada pós-crise, resultado semelhante só apareceu em abril de 2008 (57,5).

Entre as variáveis, o emprego atingiu um dos melhores níveis da série (60 pontos). Investimento (57,3), mercado (60,9) e vendas (58,3) seguem em alta, enquanto o estoque apresenta-se ligeiramente abaixo do desejável."O Sensor está bombando, o que nos garante a continuidade do processo de recuperação do crescimento da indústria nos próximos meses. Temos um céu de brigadeiro à frente", sinalizou o diretor de Economia da Fiesp/Ciesp.

As entidades apostam em um crescimento de 13% para o INA em 2010. Francini acredita que a recuperação da exportação nacional de produtos manufaturados, que deverá ficar em torno de 20% (diante dos 26,6% perdidos em 2009), será um fator impulsionador desse resultado.

Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP/CIESP)

Assessoria de Jornalismo Institucional
Jornalista Responsável: Ricardo Viveiros (MTb.18.141)
[email protected] - Tel.: (11) 3549.4470
Jornalista: Rose Matuck (MTb. 16.371) – [email protected] – (11) 3549.4602
Setorista: Mariana Ribeiro (MTb. 52.319) – [email protected] – (11) 3549.3253
Assistente: Everton Amaro - [email protected] - (11) 3549.4643

FIESP NA REDE: http://www.fiesp.com.br/redessociais

Fiesp/Ciesp

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google