Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Fiesp: indústria tem 15% de capacidade escondida

Novo levantamento revela que 76% das empresas podem atingir produção plena em até 6 meses

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) divulgou hoje um novo estudo que avalia, com maior precisão, o quanto as indústrias são capazes de produzir em um determinado espaço de tempo, utilizando todos os recursos disponíveis.

O Nível de Utilização de Produção Plena (Nupp) tem duas etapas: calcula a fração da produção efetiva sobre a produção máxima possível. A pesquisa considera a mão de obra necessária para turnos adicionais e horas extras, e o estoque de máquinas instaladas nas empresas e prontas para operação.

O novo levantamento tem a intenção de medir a capacidade de produção “escondida” que, segundo a Fiesp, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) não consegue captar corretamente. O Nuci é apurado mensalmente pela FGV e também pela CNI – este com participação de todas as federações de indústrias, e divulgado pela Fiesp no levantamento de conjuntura.

De acordo com o Nupp, apurado junto a 247 empresas (da mesma base utilizada para o Nuci), o nível de utilização está em 69,2% - contra 79,2% informado no levantamento de conjuntura no mês de fevereiro, com ajuste sazonal.

“O Nuci se afasta em cerca de 15%, na nossa amostra, daquilo que seria o número correto de mensuração”, resumiu Paulo Francini, diretor-titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp, em entrevista coletiva.

A pesquisa também revela que 76% das empresas respondentes conseguem atingir a produção plena da planta (PPP) em menos de 6 meses.

“É incorreto interpretar, de forma absoluta, um valor que é meramente indicativo e relativo. Um Nuci em 90% não quer dizer que aquele setor está a 10% do esgotamento de sua capacidade, porque há uma parcela escondida”, afirmou Francini.

Segundo ele, a Fiesp identificou aleatoriamente que alguns setores tiveram grande variação de produção física, segundo medição do IBGE, e, no mesmo período, a oscilação do Nuci ficou no patamar de 2%. Esse fator comprovava a desconfiança de que havia uma capacidade produtiva não revelada pela pesquisa.

Metodologia

A maior vantagem da nova pesquisa, para Francini, é poder mensurar o potencial de produção industrial, e dispor de informações padronizadas. Pelo Nupp, baseado na metodologia do US – Center Bureau (Estados Unidos), a empresa informante pode especificar se a sua produção física é medida em peso, volume, metros quadrados ou outras.

A Fiesp observa que o Nuci da FGV, por exemplo, calcula o percentual de ocupação dos fatores capital e trabalho no momento atual da empresa, não levando em conta a possibilidade de contratação e de utilização de maior número de máquinas disponíveis. Além disso, é definido pelo informante da pesquisa, de forma subjetiva.

O Nupp divulgado hoje também identificou que 75% das empresas têm produção efetiva inferior à capacidade de produção plena porque não precisam aumentá-la no momento, por razões como demanda insuficiente e estoque maior que o planejado. Ainda de acordo com a pesquisa, a média de turnos trabalhados é de 2,6, em 5,7 dias por semana.

Perguntado se o nível de utilização da capacidade instalada pode atingir seu nível máximo (100%), Francini explicou que as indústrias, hoje, possuem grande capacidade de responder às demandas. Segundo ele, somente quem lida no chão de fábrica é capaz de conhecer essa flexibilidade.

“Quando farejam um crescimento de demanda, os empresários se aprontam para atendê-la. E se não o fazem, dão um tiro no pé: perdem dinheiro e mercado. O que eles precisam é de um tempo para se adequarem à nova situação”, argumentou.

Mariana Ribeiro, Agência Indusnet Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google