Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Desempenho da indústria paulista tem primeira queda em 13 meses

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Segundo Índice do Ciesp/Fiesp, o recuo de abril frente ao mês passado foi de 0,4%, com ajuste sazonal. O resultado negativo, contudo, reflete fim de incentivos tributários e queda nas vendas

Após 13 meses de altas consecutivas, em abril o Indicador de Nível de Atividade (INA) do Ciesp e da Fiesp apresentou ligeira queda de 0,4%, em comparação ao mês passado, já livre das influências sazonais. Isso, no entanto, não inibiu a performance do primeiro quadrimestre, cujo aumento de 16,8% foi o melhor desde 2003.

Sem o ajuste sazonal, abril apresentou queda de 5,6% em relação ao mês anterior. Em comparação ao mesmo período do ano passado, no entanto, o dado apontou alta de 13,6%. No acumulado de 12 meses o índice subiu 1,4%, atingindo, pela primeira vez após a crise, um patamar positivo.

Os resultados foram divulgados nesta quinta-feira (27), pelo diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) do Ciesp e da Fiesp, Paulo Francini. Ele assegurou que o número negativo é muito pouco expressivo, "praticamente tendendo a zero", e que não ameaça a atividade "robusta" da indústria.

"Desde fevereiro do ano passado não víamos uma baixa no INA. Ela se deve essencialmente a um dos componentes do índice: a venda", explicou. De acordo com Francini, o período assistiu ao fim de programas de que reduziam a carga tributária sobre os produtos, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Esta particularidade foi responsável pela queda considerável das vendas nos setores de veículos e linha branca, exemplificou.

"Portanto, não é possível dizer que temos uma queda de vigor da atividade produtiva. E além do empecilho tributário, a forte aceleração está se acomodando", sublinhou o diretor. Para ele, "isso não significa que vamos parar de crescer, mas que caminharemos mais lentamente, o que é absolutamente natural".

Ao mesmo tempo, continuou Francini, o comportamento do mês de abril é sempre negativo, com exceção apenas de dois anos em toda a série histórica.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) manteve o processo de recuperação da indústria, avançando 1,5% sobre março. Com ou sem o ajuste sazonal seu resultado foi o mesmo, e fechou o mês com 82%. "A dona NUCI continua bem comportada e mostra a folga da produção".

Atividade setorial

O diretor reforçou que as vendas reais também influenciaram na performance dos setores, porém de maneira pouco significativa.

A confirmação disso vem com máquinas e equipamentos, o segmento mais destacado do INA que, em comparação a março, cresceu 2,7%. Segundo Francini, seu desempenho -sinaliza tranqüilidade, porque o setor espelha diretamente o investimento e a capacidade de produção industrial.

"Em relação a abril do ano passado o aumento foi só de 50,8%", ironizou. "Máquinas e equipamentos é a lenha da fornalha, e nos diz que a indústria está se preparando e se modernizando para a demanda futura", ressaltou.

Veículos automotores, por sua vez, sentiu mais a queda das vendas e ficou com 3,2% negativos. Conforme apontou o diretor, isso ocorreu porque a alta do setor está mais ligada aos incentivos tributários, que deixaram de vigorar em abril. Em relação ao mesmo período do ano passado, subiu 21,7%. "É uma frente que se reergueu muito rapidamente, e como todas as outras é normal que apresente uma desaceleração", disse.

Para Francini, o mesmo fenômeno se aplica a papel e celulose. "O segmentou teve uma queda bem próxima a zero. 0,2%, e isso é só um ajuste ao ritmo frenético de até então", ressaltou. Em comparação a abril de 2009, o saldo ficou positivo em 12,3%.

Perspectiva empresarial

Em maio, o resultado geral do Sensor da Fiesp captou aumento do otimismo do empresariado com a conjuntura paulista, prosseguiu Francini. O resultado geral registrou 57,6 pontos. Computaram alta as expectativas para vendas (60,6) e emprego (56,8). Já mercado e estoque permaneceram estáveis – com 62,8 e 54,7, respectivamente. Investimento foi único com ligeira queda e fechou com 52,8 pontos.

"O Sensor não enxerga no horizonte nuvens negras ou perigosas. O céu ainda é de brigadeiro", brincou o diretor. "A percepção do empresário é a melhor para demonstrar que a atividade industrial não está negativa", acrescentou.

PIB

No final da reunião, Francini ainda comentou a respeito da expectativa de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB). Ele lembrou que no primeiro trimestre de 2010 houve um salto positivo de 2,5%, já em resposta à boa recuperação frente à crise econômica. "Se mantivermos a mesma atividade ao longo do ano, ou seja, ficarmos no patamar atual, fecharemos 2010 com no mínimo 5,5% de aumento", destacou.

Porém, em sua opinião, o PIB continuará em alta mais modesta nos próximos trimestres. "Se isso ocorrer, chegaremos tranqüilamente aos 7%", concluiu.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP)

Assessoria de Jornalismo Institucional

Jornalista Responsável: Ricardo Viveiros (MTb.18.141) [email protected]

Jornalista: Rose Matuck (MTb. 16.371) - [email protected] (11) 3549.4602

Setorista: Thiago Eid – [email protected] (11) 3549.4282

Assistente: Everton Amaro - [email protected] - (11) 3549.4643

Agência Indusnet Fiesp

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google