Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Indústria de SP iguala ritmo de produção anterior à crise

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Índice de maio (+0,8%) agregou mais um resultado positivo à trajetória de recuperação iniciada há 16 meses. Com a boa fase garantida, Fiesp revisa projeção do PIB para 7,5%

A atividade industrial paulista cumpriu a expectativa da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp), que previam a retomada do nível pré-crise até o final do primeiro semestre do ano.

Levando em conta o resultado de maio, divulgado nesta quarta-feira (30) pelas entidades, o desempenho já está 0,7 ponto percentual acima do registrado em setembro de 2008, último mês forte antes da crise financeira.

O índice de maio somou 0,8%, com ajuste sazonal, à série positiva do Indicador de Nível de Atividade (INA). Sem ajuste, o crescimento em relação a abril atingiu 5,2%.

“A boa trajetória já ocorre desde janeiro de 2009. Perseguimos uma rota de recuperação após a ‘trombada’ que sofremos com a crise”, avaliou Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp/Ciesp.

Dez dos 17 setores avaliados mensalmente pelo INA já superaram o desempenho pré-crise. São eles: alimentos e bebidas; celulose e papel; produtos químicos, petroquímicos e farmacêuticos; borracha e plástico; minerais não metálicos; produtos metálicos; máquinas e materiais elétricos; veículos automotores; outros equipamentos de transporte; e móveis e indústrias diversas.

Desempenho mensal

Em maio, 70% dos segmentos que compõem o levantamento tiveram resultado positivo, o que indica, segundo Francini, que a boa fase está disseminada por toda a indústria.

Destaque para alimentos e bebidas, com alta de 1,7%, desconsiderados os efeitos sazonais; minerais não metálicos (+0,5%), que vai no embalo do bom momento da construção civil; e veículos automotores (+1,1%), contando com o aquecimento do mercado interno e a recuperação das vendas externas, cujo valor exportado já supera em 35% o registrado no mesmo período de 2009.

A recomposição de estoques, após o impulso promovido pela redução de tributos em algumas cadeias produtivas, também acarretou um maior volume nas vendas reais em maio (+2,3%). Efeito que também se fez notar no Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci), que recuou 0,3%, com ajuste, e voltou à normalidade (81,9%) após o pico de vendas e produção.

De janeiro a maio, o crescimento do INA chega a inéditos 15,5%, mas o resultado não traz surpresas. “É importante considerar a fraca base de comparação no período de crise. Só nos cinco primeiros meses de 2009, tivemos uma queda de 14%”, lembrou Paulo Francini.

Revisão do PIB

A Fiesp revisou sua projeção de crescimento do PIB para 7,5% em 2010. Segundo o diretor do Depecon, só o resultado do primeiro trimestre do ano (+2,7%) já daria, pelo efeito “carry over”, uma alta de 6% se os próximos trimestres ficassem no zero.

“No início do ano, nossa projeção de 6% era até considerada ‘ousada’, quando outros órgãos e entidades falavam em 5% ou 5,5%. Com o passar do tempo ela ficou correta e, agora, já é tímida. Se crescermos 1% nos próximos trimestres, já teremos 7,5%”, calculou Francini. A última vez que o Brasil cresceu 7,5% foi em 1986.

A Fiesp também espera um PIB industrial de 11,6% (11,3% para a indústria de transformação e 12,6% para a construção civil), taxa de crescimento da Formação Bruta de Capital Fixo em 21,2%, o que equivale a aproximadamente 19% do PIB, e um saldo comercial de US$ 11,9 bilhões (queda de 53%).

Sensor

O Sensor, que revela as expectativas dos empresários para o período analisado, recuou em junho. Neste mês o indicador ficou em 55,1 pontos, inferior ao observado em maio, quando apresentou 57,6. Apesar da queda, seu desempenho permanece acima dos 50 pontos, fato que sinaliza a continuidade do processo de crescimento da produção industrial.

“É exatamente o que prevíamos: a redução da aceleração do crescimento da atividade econômica, até mesmo pela intenção [do governo] de que isso ocorra. Mas o importante é que continuaremos a crescer, e o Sensor nos mostra isso”, considerou Francini.

Mercado (56,8), vendas (52,1) e estoque (48,2) caíram nesta apuração, e o item emprego continua forte, com 58,3 pontos. A perspectiva para os investimentos cresceu – 59,9, contra 52,8 em maio.

“Os investimentos alcançaram o maior número da série, e prosseguem em ritmo forte. Com isso, o Sensor não nos indica nenhum obstáculo à frente, porque o investimento está no pé do processo industrial e é importante para responder ao aumento de demanda”, argumentou o diretor de economia da Fiesp/Ciesp.

Mariana Ribeiro, Agência Indusnet Fiesp

Agência Indusnet Fiesp

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google