Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

A evolução da construção civil: Tecnologia da Informação é uma questão de sobrevivência

Mais notícias relacionadas a construção civil:

O que é superestrutura
Ao projetar uma superestrutura, é necessário considerar a pressão e força que ela irá exercer ...


Tipos de tijolos
Alguns dos tipos mais frequentes são tijolos comuns, tijolos de revestimento e tijolos de engenharia.


Tudo sobre a indústria do cimento
A indústria do cimento é por vezes considerada a base da indústria da construção civil ...


* Por Alessandre Trintim e Eduardo Toledo Santos

Alguns gestores de empresas de engenharia e construção civilainda têm a idéia de que investimento em tecnologia da informação significa computadores, internet e apenas programas como CAD. Essa ligação existe, é claro, porém o desenvolvimento da gestão vai muito além. Cada vez mais a tecnologia passa a ser instrumento de gestão organizacional, deixando de ser vista como um diferencial competitivo para se tornar uma necessidade.

Muitos profissionais da área já começam a trabalhar com o conceito de BIM, ou Building Information Modeling que pode tanto ser visto como uma representação das características físicas e funcionais do empreendimento (um modelo digital do edifício), como também um processo onde se utilizam tecnologias da informação em todas as fases do ciclo de vida da edificação para promover a colaboração e utilização eficiente da informação produzida. O desenvolvimento de projeto com tecnologias BIM permite que alterações sejam feitas com agilidade, com plantas e seções atualizadas automaticamente , bem como extração de quantitativos, etc.

Agora, mais do que nunca, enxerga-se a importância da evolução dessa relação entre TI e construção civil: o mercado está aquecido. Porém não é um simples aquecimento. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que, em 2010, esse setor pode movimentar R$ 202 bilhões e somar 2,4 milhões de empregos formais; a previsão é que esse crescimento se intensifique ao longo da próxima década, principalmente por conta das obras para a Copa do Mundo de 2014, Olimpíadas de 2016, plano econômico do Governo Federal – Programa de Aceleração de Crescimento (PAC), com R$ 278,2 bilhões para habitação, incluindo o programa Minha Casa, Minha Vida, além de linhas de crédito, etc. São investimentos para melhorias no transporte público e nas ruas, no setor hoteleiro, reforma de aeroportos, restaurantes e bares e nos estádios, todos atendendo exigências da FIFA e da Confederação Mundial dos Jogos Olímpicos. São previstos investimentos de 20 bilhões de dólares por ano entre 2011 e 2021, sendo que a porta de entrada será a construção civil, que também ficará com a maior fatia do investimento.

As empresas da vertical de EC&O (engenharia, construção e operações) precisam se preparar adequadamente para melhorar, entre outras coisas, a gestão de seus projetos, ativos, relações com fornecedores e seus sistemas financeiros de apoio a gestão. Já estamos vivendo tempos onde projetos tornam-se cada vez mais complexos e informações circulam cada vez mais rápido. Um ciclo apropriado para integrar, analisar e distribuir informações já é necessário para garantir a perpetuação do negócio. Quem é que não precisa baixar custos, aumentar a lucratividade e, cada vez mais, atender a rígidos padrões de governança corporativa?

Esse setor está com uma enorme carência de profissionais especializados. Essa lacuna vai desde pedreiros até engenheiros, ou seja, atinge todas as etapas de uma obra, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo (Sintracon SP). Como um gestor pode dar conta de uma demanda crescente, mas não diminuir a qualidade do serviço prestado e, ainda, respeitando o timming de entrega das obras? Essas respostas estão na TI e, especificamente para a sua gestão, no Enterprise Resource Planning (ERP).

Certo, mas em que aspectos o ERP pode salvar minha gestão? Muitos irão pensar que já possuem essas soluções e que lidar com mudanças na cultura da empresa, além de bancar a implementação, pode ser desperdício de tempo e dinheiro. O que falta, no entanto, é dimensionar os ganhos que o ERP é capaz de trazer no médio e longo prazo para um crescimento sustentável. É importante frisar que este tipo de investimento não é apenas para maximizar retorno nos momentos prósperos do mercado, mas principalmente para garantir a sobrevivência durante os momentos de baixa ou estagnação.

De forma prática podemos considerar cinco objetivos principais para a atuação de um ERP:

- Controles financeiros, cruzando informações, trazendo indicadores, simuladores de cenário, fluxo de caixa, realizando planejamentos e orçamentos;

- Controle de políticas e padronização, utilizando informações centralizadas para uma maior eficiência financeira e operacional, assim como previsões mais exatas;

- Informações em tempo real para facilitar a distribuição inteligente de recursos, maximizando a produtividade;

- Funções de aprimoramento de compra, supply chain e manutenção, através de uma melhor gestão de relacionamento com o fornecedor;

- Gestão completa, física e financeira, do ciclo de vida de projetos.

Os resultados são diversos, refletindo, inclusive, nas tomadas de decisões: com a diminuição da burocracia e do tempo para fazer lançamentos e procura de dados, a obra apresenta um fluxo mais contínuo e independente, acelerando todas as suas etapas. Há pesquisas acadêmicas que mostram que uma empresa com a TI estruturada pode diminuir em até 30% os custos e o tempo de entrega de uma obra se comparada com uma que não possui.

Situações de alto risco, porém, oportunas, que exigem velocidade na tomada de decisão podem trazer a tona a vantagem de se ter um ERP. Por exemplo, em uma fusão ou aquisição. Outro cenário um pouco mais comum, mas não muito menos complexo, são as adequações fiscais e legais. De forma mandatória e geralmente com prazos curtos, as empresas têm que se adequar a novas formas de contabilização e apresentação de resultados, por exemplo.

E o ERP? A empresa pode ter que solicitar mais recursos, contratar novos profissionais, produzir novos relatórios, comunicar os setores envolvidos sobre as mudanças, atender a rigorosos critérios de Compliance e Governança Corporativa, realizar análises financeiras complexas, adequar processos e políticas existentes e também adicionar novas informações entre outras atividades que podem variar de acordo com o setor e cargo. Essa é a função do ERP: fazer rapidamente, e com economia, o que poderia levar dias, além de diminuir os riscos de perda de informações e recursos.

Que fique claro: o modelo simples com que muitas empresas trabalham pode ser, sim, eficaz, porém está mais vulnerável a erros, demoras e desperdícios, além da perda de informações e oscilação da produtividade. Mas é preciso deixar claro que esse setor precisa se desenvolver como um todo e a TI pode ser a base para a solidificação e crescimento harmônico da empresa.

* Alessandre Trintim é diretor da Essence, empresa de consultoria e outsourcing, especializada em Tecnologia e Informação para negócios e Eduardo Toledo Santos é professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Sobre a Essence - Especializada em Tecnologia e Informação para negócios, a Essence e seus 300 profissionais oferecem consultoria e outsourcing com qualidade, conhecimento e criatividade a mais de 50 clientes em toda a América Latina. Combinando metodologias, ferramentas e profissionais certificados, a empresa é focada em soluções corporativas e trabalha com quatro unidades de negócios: Projetos, Sistemas para Gestão, Service Desk e Outsourcing de Profissionais. Localizada em São Paulo, a Essence é parceria de empresas como SAP e BDO.

A Essence usa as metodologias ASAP Focus e utiliza as práticas do PMBOK Guide - Project Management Body of Knowledge. Recebeu 2 prêmios SAP Award of Excellence. Entre seus clientes estão empresas como Bayer, Comgás, Cosan, Cyrela, Gafisa, GM, Lojas Marisa,Novartis, Rossi, Pepsico do Brasil, Tecnisa.

BRSA - branding and sales
Coordenadora de imprensa:
Márcia Becker - [email protected] - 11 8472 9941
Assessora de imprensa:
Bruna Machado – [email protected] – 11 6459 0024

Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a construção civil:

Vendas da indústria de construção aumentam 13,8% em março

No mês de março de 2013, a indústria de materiais de construção no Brasil registrou crescimento de 13,8% nas vendas, em relação ao m ...
Wurth lança impermeabilizante para superfícies acabadas

A Wurth do Brasil – multinacional alemã especializada em peças de fixação, produtos químicos, ferramentas e EPI’s – apresenta ao mercado de construção civil uma novidade em ...
Pavimento permeável

O pavimento permeável é o cimento que é projetado para permitir que a água flua através dele, em vez de repelir a água como acontece com o pavimento tradicional. H ...
Diferença entre cofragens e andaimes

Estruturas de cofragem e andaimes são amplamente utilizados na indústria da construção para funções muito específicas. Quando as equipes de construção necessitam de moldar ...
Cofragem de isolamento

A cofragem é um molde pré-fabricado usado para formar as paredes de betão no local. Ao contrário da maioria das cofragens, uma cofragem de isolamento é deixada no lugar ...
Tipo de cofragem de madeira

Para que se possa despejar o concreto numa obra de construção civil, é necessário, primeiramente, formar um molde para que o concreto mantenha sua forma enquanto seca. A cofragem ...
Cofragem de metal

O processo de concretagem envolve a criação de moldes em que o concreto molhado pode ser despejado. Estes moldes seguram o betão no local, enquanto o material toma ...

Construção Civil
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Construção Civil


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google