Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Ano de 2010 está ganho para a indústria paulista

Atividade industrial deverá encerrar o ano com crescimento entre 10% e 11%. No entanto, cenário para 2011 é incerto, diz Ciesp/Fiesp

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


O ano de 2010 está ganho para a indústria paulista. A taxa de crescimento, que deve encerrar o período entre 10% e 11% sobre o ano passado, está ancorada na expansão dos principais fatores indutores da demanda: emprego, renda e crédito.

Mas algumas incertezas já começam a se armar para o futuro da indústria brasileira, que passa por uma situação de risco evidente com relação à competição internacional.

O cenário foi traçado pelo diretor de Economia da Ciesp/Fiesp, Paulo Francini, que apresentou nesta quinta-feira (28) os dados do Indicador de Nível de Atividade – que recuou 0,1% em setembro, com ajuste sazonal, índice considerado estável e normal para o mês, de acordo com a série histórica da pesquisa.

Apesar do bom momento da atividade industrial, o setor assiste a um crescimento vigoroso das importações, que têm absorvido parte do crescimento da demanda interna.

"Desde 1994, não vemos um aumento de importações semelhante ao que está ocorrendo hoje no Brasil. A demanda está crescendo a uma taxa superior à produção doméstica, então parte dela é atendida pelos produtos importados", assinalou Paulo Francini.

Segundo ele, há espaço para a indústria produzir mais. "O setor como um todo está folgado, cumprindo a produção. Certamente o INA seria maior este ano não fosse a fatia ocupada pelos importados. Temos capacidade para isso", atestou.

Guerra cambial

Basicamente são três as circunstâncias que, somadas, levam à substituição da produção doméstica pela importada. A rota de expansão da demanda interna faz do mercado brasileiro um "prato apetitoso", como chamou Francini, para a entrada de produtos estrangeiros.

A disputa de mercados com boa demanda e bom estágio de crescimento, principalmente com o arrefecimento do comércio mundial após a crise, está diretamente relacionada ao fator câmbio. O real sobrevalorizado frente à subvalorizada moeda da China, por exemplo, acaba favorecendo as exportações do país asiático.

"A questão da guerra cambial está colocada para o mundo, e não sabemos onde isso vai terminar. Nunca houve uma situação de risco tão evidente para a indústria brasileira, que trava uma batalha frente a frente com a competição internacional", alertou Francini.

Desindustrialização

A participação da indústria de transformação no PIB, que já chegou a 27%, hoje está em 15%. Para o diretor de Economia da Fiesp, há uma trajetória clara de desindustrialização no Brasil – dada a perda relativa de participação da atividade industrial de manufaturas na formação do PIB e na geração de empregos. Na China, este índice está em torno de 40%.

"O Brasil está numa rota perigosa de queda da participação da indústria na economia. A questão é saber para onde vão os 15% - corremos o risco de cair para 13%, 12%, ou até 10%", frisou. Para Francini, fazer esse índice voltar a crescer deve ser uma das obrigações do próximo governo. "É grande a arrumação que tem de ser feita, e ela passa pela questão fiscal, a taxa de juros, e a decorrente taxa de câmbio. Não existe solução única para o câmbio", reforçou.

Números do INA

Sem ajuste sazonal, o indicador recuou 0,4% em setembro sobre agosto. No acumulado do ano, a alta atinge 12%, o que garante o segundo melhor resultado da série desde 2003, nesta base de comparação.

As horas trabalhadas na produção e as vendas reais também tiveram aumento em setembro, de 0,2% e 1,2%, respectivamente. No entanto, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) registrou retração de 0,8% passando de 82,5% em agosto, para 81,9% no último mês.

Segmentos

Entre os setores que apresentaram crescimento em setembro estão Móveis e Indústrias diversas, com alta de 1,8%, e Veículos Automotores (0,6%). Já entre os que tiveram baixas, destaque para Metalurgia Básica, com decréscimo de 4,1%.

Olhar do empresário

A pesquisa Sensor – que aponta a perspectiva dos empresários em relação ao cenário econômico do mês corrente – mostra que a atividade paulista, mesmo com ritmo mais lento, mantém sua trajetória de crescimento.

O Sensor geral caiu neste mês: de 53,7 pontos para 52,6 pontos na passagem mensal. Já o item Vendas registrou pequena elevação passando de 50,9 pontos em setembro para 51,8 em outubro. O mesmo efeito foi sentido em Emprego, com ligeira alta: 54,4 pontos contra 53,9 pontos na medição anterior.

O Estoque continua alto, com 45,1 pontos. Em contrapartida, o item Mercado apresentou queda expressiva, passando de 55,9 para 52,1 pontos atuais. O recuo também foi sentido no item Investimentos, ficando com 59,7 pontos contra 61 pontos em comparação ao mês passado.

Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)

www.ciesp.com.br | www.twitter.com/ciesp

Assessoria de Comunicação Corporativa

Jornalista Responsável: Ricardo Viveiros (MTb.18.141)

Jornalistas: Odair Souza (MTb. 20.211) – [email protected] – (11) 3549.3262

Mariana Ribeiro (MTb. 52.319) – [email protected] – (11) 3549.3253

Rubens Toledo (MTb. 13.776) – [email protected] – (11) 8231.3374

Assistente: Cecília Lombardi – [email protected] – (11) 3549.3201

Agência Indusnet Fiesp

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google