Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Fiesp avança no debate sobre integração produtiva Brasil-Uruguai

Agenda do fórum realizado nesta segunda-feira (14), em São Paulo, embasará pauta política da presidenta Dilma Rousseff em visita futura ao país vizinho.

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Os governos e o setor privado de Brasil e Uruguai deram um importante passo para avançar na agenda de integração produtiva dos dois países. A complementação industrial em setores potenciais e o fortalecimento político e comercial do Mercosul como bloco econômico foram as principais discussões do fórum realizado na Fiesp nesta segunda-feira (14), em São Paulo.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, anunciou que a presidenta Dilma Rousseff cumprirá agenda política no Uruguai no dia 16 de maio. O fórum realizado na Fiesp servirá de base para a pauta do encontro. Para o chanceler brasileiro, este é o pontapé inicial das relações entre os vizinhos sul-americanos.

“A presidenta Dilma procurará recolher muitas das propostas debatidas aqui. Os principais desafios estão nas áreas de infraestrutura, energia e industrial. O Uruguai não aspira à indústria automotiva, por exemplo, mas pode ser um importante fornecedor de partes e peças”, afirmou o chanceler Patriota.

O seminário “Brasil-Uruguai – Oportunidades de Integração Produtiva e de Comércio Bilateral” segue na parte da tarde, com 175 reuniões de negócios programadas entre empresários de ambos os países.

Oportunidades

O presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, classificou o encontro como um divisor de águas nas relações empresariais entre Brasil e Uruguai. “Com a corrente de comércio equilibrada e investimentos recíprocos, temos uma agenda rica. Inclusive para fortalecer nossas produções para terceiros mercados”, frisou.

O encontro contou com a presença dos ministros de Relações Exteriores, de Economia e Finanças e de Indústria, Energia e Minas do Uruguai, e do presidente da República, José Mujica. O líder incitou brasileiros e uruguaios a pensarem e agirem como região, acima das fronteiras nacionais, que estão “cada vez mais permeáveis”.

“Aqui está o núcleo mais forte da economia da América Latina. Com seu peso, o Brasil deve cumprir o papel de reunir aliados, multiplicar nossos talentos, defender nossa cultura, buscar pontos-chave comuns. É muito o que temos a fazer pela nossa região. Pertencemos à mesma matriz neste continente”, saudou o chefe de Estado uruguaio, que foi condecorado com a Ordem do Mérito Industrial São Paulo.

Parceria

Em entrevista coletiva, o dirigente Paulo Skaf antecipou que o objetivo é realizar fóruns permanentes com lideranças políticas e empresariais dos dois países para manter uma agenda dinâmica, e buscar facilidades para aumentar a pauta e o fluxo comercial entre Brasil e Uruguai.

“Não há fórmula mágica, teremos de arregaçar as mangas”, sintetizou Skaf, que acenou também com a possibilidade de uma parceria com o Senai-SP para formação profissional da mão de obra uruguaia.

Comércio bilateral

O Brasil é o principal parceiro comercial do Uruguai – detém 19% das importações uruguaias mas vem perdendo espaço para a China, que saltou de 10,7% em 2007 para 14% em 2010. A corrente de comércio entre os países atingiu US$ 3,1 bilhões, um crescimento médio de 18,2% ao ano desde 2005. Superavitário para o Brasil até 2009, o saldo comercial no último ano foi favorável ao país vizinho em US$ 43 milhões.

Os principais itens da pauta exportadora brasileira são os manufaturados, como automóveis – 20,1% do total vendido; máquinas e materiais elétricos (11,1%) e máquinas e instrumentos mecânicos (8,4%). Do lado das importações, os principais produtos consumidos do Uruguai são cereais (30%), plástico e suas obras (10,3%) e produtos da indústria de moagem (9,6%).

Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google