Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Engevix, a 'dona do X' antes de Eike

Empresa que vai gerir aeroporto de Natal e prevê R$ 2,5 bi para geração de energia pôs em controladas a letra mágica do bilionário.

Mais notícias relacionadas a energia:

Parques eólicos offshore
Plantas de geração de energia podem ser erguidas em rios, lagos e no mar.


Como funciona a Caixa de Bloom
Esta é uma adaptação da tecnologia de células de combustível de óxido sólido, que gera ...


O que é combustível sem fumaça
Alguns combustíveis sólidos comuns que normalmente são considerados sem fumaça são carvão antracite, coque, carvão ...


Eike Batista, o maior bilionário brasileiro, deu fama à letra X como um amuleto da fortuna – todas as empresas de seu conglomerado, como se sabe, exibem o X como um multiplicador de cifrões. A Engevix, de serviços de engenharia, também tem relação íntima com a letra mágica de Eike, mas não credita a ela poderes sobrenaturais – e segue multiplicando suas frentes de atuação.

“Usamos o X antes do Eike”, brinca Cristiano Kok, presidente da empresa. Nascida há 46 anos para ser o braço de engenharia da empreiteira Servix – “engenharia da Servix” deu origem ao nome Engevix –, a companhia encabeça hoje um grupo que fatura cerca de R$ 2 bilhões por ano e que atua em quatro grandes frentes de trabalho: energia renovável (com a Desenvix), construção de navios e plataforma de petróleo para a indústria de óleo e gás (Ecovix), infraestrutura (Infravix) e projetos, por meio da Engevix Engenharia.

A empresa ganhou os holofotes na semana passada após vencer (com a parceira argentina Corporación América, com a qual formou o consórcio Inframérica) o leilão de concessão do aeroporto de São Gonçalo do Amarante (RN), o primeiro a passar por um processo do gênero no País. Mas a área de concessões públicas, que pôs a empresa na ribalta, é ainda a de menor receita no grupo. O avanço mais imediato da companhia deve ocorrer em outros de seus tentáculos.

A Desenvix, que deve faturar R$ 120 milhões neste ano, vislumbra receita de R$ 250 milhões em 2012. Sob seu guarda-chuva estão a participação em inúmeras hidrelétricas, pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e em usinas eólicas, muitas delas com início de operações previsto para os próximos meses.

Mas os horizontes são mais ambiciosos. Capitalizada depois de a norueguesa SN Power comprar por R$ 706 milhões uma fatia de 40,65% da empresa, a Desenvix avalia no momento uma carteira de potenciais investimentos que somam adicionais 2,5 mil megawatts – capacidade de geração de energia equivalente à da Hidrelétrica Paulo Afonso IV, no rio São Francisco, uma das dez maiores do País.

A meta é que, somados, os projetos de geração da Desenvix (da qual a Engevix também tem fatia de 40,65% e o fundo de pensão Funcef, de 18,7%) atinjam mil megawatts em cinco anos, capacidade similar à da Hidrelétrica Estreito, no rio Tocantins. Sua capacidade total hoje é de 162 megawatts, e adicionais 150 entrarão na conta ainda neste ano. “A um preço de R$ 4 mil por megawatt, seriam uns R$ 2,5 bilhões em investimentos no programa”, afirma o executivo.

Construção que avança, receita que sobe

Também a Ecovix deve dobrar sua receita entre 2011 e 2012, elevando-a para R$ 500 milhões, segundo as projeções do grupo. “Ela está construindo os navios. A receita vai sendo apropriada à medida que a construção avança”, diz Kok. “Esse primeiro ano foi para comprar chapas, montar a fábrica de soldas, contratar gente”. A empresa, que comprou em 2010 o Estaleiro Rio Grande, localizado na homônima cidade gaúcha, tem hoje pouco mais de 700 funcionários, mas prevê cinco mil quando chegar ao auge de suas atividades.

A área de engenharia da Engevix, que faturou R$ 1,5 bilhão no ano passado, deve ter pequena queda neste ano e não deve crescer em 2012, avalia Kok. “Este é um ano de ajuste no mercado. Todos os custos subiram muito, em um movimento que seguiu o aumento da renda”, afirma, em uma análise que difere do senso comum do crescimento desenfreado desse segmento. “Mas o ajuste é positivo”.

O grupo deu um salto gigante em 2008, quando venceu uma licitação para implantar a infraestrutura do polo de tratamento de gás natural Cacimbas III, em Linhares (ES). O contrato, de R$ 1,3 bilhão, foi o maior assinado pela companhia até então.

Nada ruim para uma empresa que, em 1997, faturava R$ 30 milhões. Foi naquele ano que Kok, Gerson de Mello Almada e José Antunes Sobrinho, executivos da Engevix, fizeram uma oferta para comprar a empresa, então controlada pela Rossi – que incorporou a Engevix em 1970, ano em que comprou a Servix.

Fazendo contas

À diversificação vivida desde 1997 então foi incorporado o aeroporto potiguar, outro dos projetos da Infravix. É fato que houve críticas para o valor oferecido pelo consórcio - foram R$ 170 milhões, montante 228,82% superior ao valor mínimo de outorga estipulado no edital, de R$ 51,7 milhões. Mas a empresa diz ter feito um bom negócio. "Fizemos as contas com base na demanda atual, de 2,8 milhões de passageiros por ano", diz Kok.

A Infravix já é também uma das integrantes da Viabahia, consórcio que administra os 680 quilômetros da rodovia Rio-Bahia que estão em território baiano e abrangem trechos das BRs 116 e 324. A Infravix pode ser unidade de menor receita nos negócios do grupo, mas é também uma das frentes mais avançadas no processo de diversificação: está em seu portfólio ainda o projeto do conjunto habitacional com mais de cinco mil residências previsto para o município de Rio Grande, que, espera-se, supra a demanda por residência à medida os novos funcionários do estaleiro forem chegando à cidade.

A Engevix já teve planos de abrir seu capital, que foi abortado com a crise global de 2008. Depois, o projeto era de abrir o capital apenas da Desenvix – mas também este foi posto de lado. Agora, o grupo segue a vida sem ideias imediatas de lançar suas ações na BM&FBovespa. E mais uma vez, com bom humor, há um paralelo com o homem mais rico do País. “Acho que fazemos o oposto do Eike”, diz o presidente Cristiano Kok. “Ele faz IPOs para depois criar a empresa. Nós criamos a empresa e depois fazemos o IPO”.

Portal IG

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a energia:

Destilador usa energia solar para purificar água

A empresa israelense SunDWater lançou um dispositivo ecológico e de baixo custo e manutenção que usa energia solar para limpar água poluída ou salgada. A novidade ...
Cummins Diesel concentra forças no Nordeste brasileiro

O término de algumas obras do PAC e a conclusão de unidades fabris no Nordeste do Brasil nos últimos anos têm levado empresas do setor energético ...
Como funciona um ímã supercondutor

Um ímã supercondutor é um eletroímã, onde as bobinas são feitas de um supercondutor tipo II. Ele pode facilmente criar campos magnéticos contínuos de 100.000 Oersted ...
Energia mecânica elétrica

Energia mecânica elétrica pode ser criada de duas maneiras: com um gerador elétrico ou um motor. O termo gerador elétrico é usado para descrever uma série ...
O que é sustentabilidade energética

A sustentabilidade energética desempenha um papel importante no nosso mundo e na atual geração populacional. É uma forma de sermos capazes de fazer uso dos recursos presentes num processo ...
Chile solicita licitações para exploração solar na América do Sul

O Chile vai solicitar propostas no próximo ano para construir a maior fazenda solar da América do Sul, pois o governo pretende dar o pontapé inicial de investimentos ...
Campanha da Eletrobras desmistifica energia nuclear

A Rota da Energia Nuclear, novo projeto da Eletrobras, tem como objetivo explicar de forma didática como é feita a produção de energia nessas usinas. A ação, criada ...

Energia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Energia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google