mudanças no cenário das empresas de petróleoA Petrobras estuda a venda de sua refinaria japonesa, a Nansei Sekiyu, localizada na ilha de Okinawa, como parte de seu plano de vender ativos não essenciais com o objetivo de levantar recursos para desenvolver os ativos essenciais - incluindo as reservas do pré-sal na Bacia de Santos.

O presidente da  empresa brasileira de petróleo e gás, José Sérgio Gabrielli, disse nesta segunda-feira na capital japonesa que a companhia ficaria feliz em vender a refinaria em sua totalidade, caso apareça um comprador disposto.

A refinaria de Okinawa vem operando há anos bem abaixo de sua capacidade de 100 mil barris/dia. A Petrobras adiou um plano de modernização da refinaria depois da crise da economia em 2008.

British Petroleum

Enquanto isso, o acordo de US$ 7,06 bilhões da petroleira britânica British Petroleum (BP) para vender sua fatia na argentina Pan American Energy para uma joint venture que envolve a também argentina Bridas Energy Holdings e a chinesa Cnooc foi rompido, segundo essas duas companhias. Em novembro do ano passado a BP havia concordado em vender 60% da Pan American, o que deveria ter acontecido até 1º de novembro deste ano.

A Bridas afirmou em um comunicado que decidiu encerrar as negociações por causa de "razões jurídicas" e pelo "modo como a BP agiu durante a transação". Em um comunicado separado, o executivo-chefe da Cnooc, Yang Hua, afirmou que "certas condições precedentes à conclusão do acordo não foram obtidas como esperado e a Bridas escolheu descartar a transação", o que foi informado à BP no dia 5 deste mês. Nenhum outro detalhe foi fornecido.

A Bridas negou relatos da imprensa de que havia oposição política na Argentina ao acordo. Nos últimos meses, pessoas próximas ao assunto afirmaram que as negociações haviam encontrado impedimentos em Londres, especificamente dentro da BP, mas a companhia britânica não foi encontrada para comentar o assunto. O planejado acordo era um de uma série de grandes investimentos em recursos naturais feitos por empresas da China na América Latina nos últimos dois anos e incomumente grande para uma companhia argentina.

Os principais negócios da Pan American se localizam na Argentina, onde a empresa é a segunda maior produtora de petróleo e gás. A Bridas afirmou que não descarta novas negociações. "Nós estamos totalmente abertos e sempre estivemos dispostos a encontrar soluções construtivas", disse a companhia. A Cnooc, por sua vez, declarou que "vai continuar buscando oportunidades no exterior que possam acrescentar valor à nossa companhia tanto no curto quanto no longo prazo".

A BP tem vendido ativos para levantar dinheiro para cobrir o custo do vazamento no Golfo do México, ocorrido após a explosão na plataforma Deepwater Horizon, no ano passado.

As informações são da Dow Jones.

Autor(es): Estadão

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás