Atividade na construção civil em outubro fica estávelA atividade da construção civil ficou abaixo do usual em outubro pelo terceiro mês consecutivo. No mês passado, o índice registrou 48,5 pontos, abaixo da linha divisória dos 50 pontos, sinalizando queda na atividade quando comparada com o ritmo considerado normal pelos empresários do setor para os meses de outubro. A informação é da Sondagem Indústria da Construção, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta sexta-feira. Os indicadores variam de zero a cem pontos e valores acima de 50 pontos indicam aumento da atividade, atividade acima do usual e expectativa positiva.

Na comparação com setembro, a atividade na construção civil em outubro ficou praticamente estável, ao registrar 50,3 pontos. De acordo com a pesquisa, o mês passado foi também o terceiro consecutivo sem expansão. “Ao se comparar o ritmo da atividade da construção em 2011 com 2010, houve significativa desaceleração por causa, em boa parte, do forte desempenho no ano passado”, destaca o economista da CNI Danilo Garcia. “Além disso, o setor de construção não está imune aos efeitos do cenário adverso da economia mundial, embora tenha sentido menos impactos que a indústria de transformação”, completa.

Em relação ao número de empregados, o segmento ficou estável em outubro frente a setembro. No mês passado, esse índice registrou 50,4 pontos. Garcia assinala que a redução nas vagas de trabalho do setor em setembro não se manteve em outubro. “As contratações na construção de prédios contribuíram para essa melhora”, diz.

Assim como em setembro, o segmento de obras de infraestrutura foi o que puxou os índices da construção para baixo em outubro, devido à retração dos investimentos públicos. No mês passado, na comparação com setembro, a infraestrutura ficou com todos os seus indicadores de atividade – evolução do nível de atividade, atividade em relação ao usual e evolução do número de empregados - aquém da linha dos 50 pontos.

Expectativas

O desempenho mais fraco das obras de infraestrutura afeta as expectativas dos empresários do segmento em novembro para os próximos seis meses. Eles foram os menos otimistas na comparação com as dos empresários dos segmentos de construção de edifícios e serviços especializados, também analisados pelo levantamento.

Em relação às perspectivas para o nível de atividade, o índice ficou em 54,2 pontos para o segmento de obras de infraestrutura, enquanto o setor de construção de edifícios atingiu 57,2 pontos e o de serviços especializados registrou 57 pontos.

Segundo o levantamento, as expectativas dos empresários da construção em novembro para os próximos seis meses é de que haja expansão da atividade. A pesquisa destaca que esse otimismo, contudo, não está tão disseminado como no início do ano. O índice de perspectivas para o nível de atividade assinalou 56,1 pontos este mês (contra 61,9 pontos em janeiro), o de novos empreendimentos e serviços ficou em 57,2 pontos (foi de 62,8 em janeiro), o de compras de insumos e matérias-primas registrou 55,5 pontos (contra 59,9) e o de número de empregados atingiu 56 pontos (em janeiro atingira 62 pontos).

A Sondagem Indústria da Construção foi realizada entre 1º e 18 de novembro com 412 empresas, das quais 185 são pequenas, 171 médias e 56 são de grande porte.

Autor(es): CNI/Sesi

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia