A produção industrial apresentou queda de 0,6% em outubro na comparação com setembro e registrou o terceiro resultado negativo, acumulando perda de 2,6% nesse período (agosto a outubro). Na comparação com outubro de 2010, a atividade fabril caiu 2,2%, de acordo com dados divulgados hoje (2 de dezembro) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No acumulado do ano, no entanto, a produção industrial registra expansão de 0,7% e, nos últimos 12 meses, de 1,3%.

A queda no ritmo produtivo na passagem de setembro para outubro atingiu 20 das 27 atividades investigadas. Entre os setores que registraram queda está o de alimentos, que apresentou redução de 5%, ante um crescimento de 3,1%. Outras influências negativas vieram dos setores de edição e impressão (-6,7%), máquinas e equipamentos (-3,1%), material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicação (-5%), fumo (-12%) e metalurgia básica (-1%).

Já os principais impactos positivos no período partiram dos setores de veículos automotores (1,3%), que voltaram a registrar aumento na produção após a queda de 12,6% em setembro, de refino de petróleo e produção de álcool (1,5%), celulose e papel (2,3%) e farmacêutico (1,6%).

A queda de 2,2% na produção industrial verificada na comparação com outubro de 2010 é a segunda taxa negativa consecutiva e a menor marca desde outubro de 2009 (-3,1%). Nessa base de comparação, foram afetadas todas as categorias de uso e 17 das 27 atividades investigadas. Entre as maiores quedas estão as verificadas nos setores de veículos automotores (-6,1%), de máquinas e equipamentos (-5,4%), têxtil (-16%), de edição e impressão (-7,8%), e de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-7,2%).

No acumulado do ano, a expansão de 0,7% na atividade fabril foi influenciada pela alta em 15 dos 27 setores pesquisados, com destaque para veículos automotores, com expansão de 3,2%.

Autor(es): Agência Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia