Vendas de máquinas para construção crescem 18% em 2011As vendas de máquinas e equipamentos utilizados no setor da construção civil e em obras de infraestrutura no Brasil deverão ter um crescimento de 18% neste ano em comparação com 2010. A constatação é do Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos para Construção, elaborado e que acaba de ser divulgado pela  Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção (Sobratema).

O trabalho também apontou as projeções de vendas para 2012 e chegou a uma perspectiva de crescimento bem menor, de apenas 5%. “Esse crescimento menor se deve, basicamente, a uma estimativa de queda nas vendas de caminhões no próximo ano”, explica Brian Nicholson, consultor econômico da entidade e um dos responsáveis pelo levantamento.

Segundo ele, neste ano os empresários anteciparam a compra de caminhões – o crescimento em relação a 2010 foi de 27% – em razão da mudança na legislação ambiental prevista para o próximo ano e que deve exigir alterações nos motores, com perspectiva de aumento no preço dos veículos a partir de 2012.

Além do forte crescimento nas vendas de caminhões – que representam mais de 50% do volume de vendas de equipamentos para o setor da construção -, o levantamento da Sobratema também registrou um aumento expressivo, de 113%, nas vendas de mini-escavadeiras. “São equipamentos compactos, para até 12 toneladas, muito utilizados na construção civil, que viveu nos últimos anos um período de forte expansão”, explica Nicholson.

O levantamento também apontou que atualmente o índice de participação das máquinas importadas na chamada linha amarela, basicamente composta por equipamentos de terraplanagem, chega a 29% do total comercializado no Brasil.

Vendas de máquinas para construção crescem 18% em 2011De acordo com Nicholson, esse percentual deve ser o ponto mais elevado de participação no setor, uma vez que grande parte dos equipamentos hoje importados passará a ser produzida no País nos próximos anos. “Vale lembrar que os fabricantes instalados no Brasil produzem também para o mercado latino-americano”, complementa o economista Rubens Sawaya, que também auxiliou nas pesquisas. Com isso, segundo ele, o interesse por instalar fábricas no Brasil é muito grande.

Paralelamente ao levantamento, os pesquisadores da Sobratema fizeram uma sondagem com 24 empresas do setor para aferir as expectativas dos empresários em relação a 2012. E a constatação foi a de que eles estão mais otimistas, embora destaquem alguns gargalos para o setor: atraso na liberação das obras devido a questões ligadas a licenciamento e licitações, além da contínua falta de mão-de-obra especializada. “O que o setor pleiteia não é relaxamento das normas e regras ambientais. O que se cobra do Ministério Público é eficiência, bom senso, pragmatismo e agilidade na avaliação dos projetos”, destacou Nicholson.

O consultor econômico da entidade ainda ressaltou que todos esses problemas de ordem legal e ambiental apontado na sondagem são de ordem conjunturais e “perfeitamente evitáveis”. No entendimento de Mário Humberto Marques, vice-presidente da Sobratema, esse problemas relacionados não se devem a falta de recursos, mas sim a falta de eficácia na gestão dos projetos por parte do governo.

“Nesse ponto é que deve entrar a iniciativa privada, com as PPPs (parceria público-privadas), as concessões e as privatizações. É aí que está a solução desses gargalos”, conclui ele.

Autor(es): Mecânica de Comunicação
Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

Máquinas & Equipamentos
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Máquinas & Equipamentos