Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Pesquisa mapeia preço do gás industrial no Brasil

Em comparação aos demais países do Brics, o preço do gás natural industrial no Brasil é 133% maior do que a média da China, Índia e Rússia, apontou levantamento do Sistema FIRJAN

Mais notícias relacionadas a petróleo & gás:

O que faz um corretor de petróleo
Assim como outros negociadores de títulos, um corretor de petróleo é pago por comissão


O que é um dessalinizador
Processo de dessanilização é geralmente a primeira etapa da cadeia do petróleo.


Total quer obter licença de exploração de gás e petróleo na Tanzânia
A Tanzânia planeja criar um fundo soberano que vai usar a crescente receita de óleo ...


Pesquisa mapeia preço do gás industrial no Brasil A tarifa média de gás natural paga pela indústria no Brasil é de US$ 16,84/MMBtu, 17,3% superior do que a média de US$ 14,35/MMBtu encontrada para um conjunto de 23 países, como Estados Unidos, Reino Unido e França. As conclusões são do estudo “Quanto Custa o Gás Natural para a Indústria no Brasil?”, realizado pelo Sistema FIRJAN (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), a partir da análise das tarifas de consumo de gás natural industrial de 18 distribuidoras atuantes em 15 estados. Como a tarifa e seus componentes não estão disponíveis publicamente, a federação elaborou um levantamento inédito e detalhado do setor.

Entre os 23 países que fazem parte do estudo, 17 apresentam preços mais baixos do que o Brasil. A menor tarifa foi encontrada na Rússia (US$ 2,99/MMBtu), seguida por Canadá (US$ 3,31), Estados Unidos (US$ 5,09), Índia (US$ 5,23) e México (US$ 10,81). Apenas seis nações têm valores maiores do que os praticados no Brasil: Hungria (US$ 25,56), Eslovênia (US$ 24,97), Eslováquia (US$ 24,29), Alemanha (US$ 20,59), República Tcheca (US$ 20,03) e Estônia (US$ 19,24).

Em comparação aos demais países do Brics, o preço do gás natural industrial no Brasil é 133% maior do que a média da China, Índia e Rússia: US$ 7,24 US$/MMBtu. As indústrias instaladas no Brasil pagam, em média, 25% a mais do que na China (US$ 13,52/MMBtu), 222% a mais do que na Índia (US$ 5,23/MMBtu), e 464% a mais do que na Rússia (US$ 2,99/MMBtu). Em relação aos Estados Unidos, outro importante parceiro comercial, o país revela novamente baixa competitividade no setor, com tarifa 231% maior à cobrada na nação norte-americana (US$ 5,09).

Dos 23 estados brasileiros, 15 foram contemplados pelo estudo: Ceará, Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Paraná, Alagoas, Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Pode chegar a 31% a variação do preço pago pelas indústrias em cada uma dessas localidades. A tarifa mais alta foi obervada no Ceará (US$ 19,97/MMBtu).

Já a menor foi verificada no Mato Grosso do Sul (US$ 15,27/MMBtu), que, mesmo assim, continua apresentando preço mais elevado do que a média calculada em 14 países. O que se observa, portanto, é que nenhum estado possui tarifa de gás natural em patamares competitivos internacionais.

Carga tributária brasileira é a mais alta entre 23 países

O gás natural consumido pela indústria no Brasil pode ter duas origens: nacional ou importada da Bolívia. O gás natural importado abastece todas as distribuidoras da região Sul do país, além do Mato Grosso do Sul, único estado do Centro-Oeste com distribuição de gás canalizado. No Sudeste, São Paulo possui um mix de consumo entre o gás nacional e o importado, assim como em Minas Gerais. No caso do Rio de Janeiro, Espírito Santo e de todos os estados do Nordeste, o fornecimento de gás é de origem nacional.

O preço do gás natural para o consumidor industrial do país é composto por quatro fatores: Parcela Variável ou Commodity (43,3% do valor final do gás), referente ao preço da molécula de gás natural; Parcela Fixa ou de Transporte (15,8%), relacionada à operação de deslocamento do insumo; Margem de Distribuição (18,8%), destinada ao serviço de distribuição do gás e expansão da malha de gasodutos; e os tributos federais e estaduais (22,1%).

Pesquisa mapeia preço do gás industrial no BrasilEm comparação com todos os 23 países contemplados no estudo, o Brasil se destaca por aplicar a política tributária mais onerosa do setor. A alíquota média dos tributos federais e estaduais (PIS/COFINS e ICMS, respectivamente), cobrada na tarifa de gás natural industrial no país, é de 22,1%, o que corresponde a uma alíquota efetiva de 28,4% contra 5% na China e Canadá; 6% no México; 6,1% em Portugal e 10% na Itália, Índia e Estados Unidos.

O diagnóstico revela também quanto custa a Parcela Variável ou Commodity para cada um dos 15 estados brasileiros contemplados pelo estudo já que o governo determina um preço máximo a ser cobrado, permitindo que sejam oferecidos descontos pontuais na venda do insumo às distribuidoras.

O estudo aponta que há disparidades regionais que chegam a 37% e ressalta que os maiores produtores de gás natural, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, responsáveis por mais de 80% da produção nacional, não são os que pagam o menor valor de Commodity. Ao contrário, Alagoas, cuja produção representa 3% do total nacional, paga o preço mais barato, seguido por estados abastecidos com gás importado da Bolívia: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A comparação com o cenário internacional revela que só o custo da Parcela Variável ou Commodity (US$ 7,30/MMBtu, valor da variável) para as indústrias brasileiras já é superior às tarifas finais pagas pelo consumidor industrial na Rússia (US$ 2,99, valor final), Canadá (US$ 3,31), Estados Unidos (US$ 5,09) e Índia (US$ 5,23). O estudo conclui, portanto, que a indústria brasileira sofre com baixa competitividade já na partida.

Em relação ao custo da Parcela Fixa ou de Transporte, mais uma vez os estados produtores (Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia) estão entre os que pagam maior valor da parcela: US$3,59/MMBtu. É o mesmo que dizer que as indústrias dos três estados estão sendo oneradas em prol da expansão da malha de gasodutos no restante do país. Isso ocorre desde 2008, quando foi adotada no mercado a chamada “Nova Política de Preços” para os contratos com as distribuidoras, que passou a calcular a taxa da Parcela Fixa ou de Transporte sem considerar a distância que o gás é transportado.

Terceira parcela que compõe o valor final do gás natural, a Margem de Distribuição representa 18,8% do valor final da tarifa do gás canalizado. Paraná (US$ 5,86/MMBtu) e Rio Grande do Sul (US$5,23/MMBtu) pagam as parcelas mais caras do país no fator Margem de Distribuição, seguido de Paraíba US$3,76/MMBtu) e Santa Catarina US$3,75/MMBtu).

A FIRJAN traz no estudo uma série de sugestões com o objetivo de garantir às indústrias brasileiras competitividade internacional. Entre as propostas estão reformulação da política de preços do gás natural, de forma a adequá-la à nova realidade nacional e mundial; redução de tributos; elaboração de um Plano Nacional de Gás, além de garantir transparência do sistema tarifário brasileiro.

O estudo “Quanto Custa o Gás Natural para a Indústria no Brasil?” pode ser acessado aqui.

Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a petróleo & gás:

Acúmulo de gás foi causa de explosão no México

As autoridades mexicanas disseram que um acúmulo de gás levou à explosão na semana passada, que matou 37 pessoas na sede da Petróleos Mexicanos. Esta é a explica ...
Irã será exportador de gasolina no próximo ano, diz Qasemi

O Irã planeja se tornar uma das maiores nações exportadoras de gasolina dentro de meses, apesar das sanções contra o país, disse o ministro do Petróleo ...
Lucros da Exxon sobe nos EUA

A Exxon Mobil Corp, a maior empresa do mundo de energia em valor de mercado, disse que o lucro do quarto trimestre teve a maior alta dos últimos cinco anos ...
Características de matéria volátil

Matéria volátil é qualquer substância que tenha uma tendência para vaporizar dadas as condições adequadas. A volatilidade da substância é medida pela sua pressão de ...
Como é feito o armazenamento de GNL

Quando o GNL (Gás Natural Liquefeito) é recebido na maioria dos terminais, é transferido para os tanques de armazenamento isolados, que são construídos especificamente para segurar o GNL. Estes ...
Noções básicas sobre Gás Natural Liquefeito (GNL)

O Gás Natural Liquefeito, ou de GNL, é o gás natural em sua forma líquida. Quando o produto gasoso natural é resfriado a menos 259 graus Fahrenheit (ou -161 ...
Extração de óleo

Os trabalhadores da indústria de petróleo e gás, incluindo engenheiros e geólogos que encontrar petróleo bruto e gás natural, supervisores da obra que supervisionam ...

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google