Indústria de tintas prevê crescimento de 4,0% em 2012Todos os segmentos da indústria de tintas devem ter desempenho melhor em 2012 do que neste ano, de acordo com as previsões da Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati). A expectativa é de que o setor veja suas vendas aumentarem 4,0% em volume, atingindo 1,44 bilhão de litros.

“Para essa previsão estamos considerando os efeitos da crise internacional e as medidas que vêm sendo tomadas para reduzir seu impacto no Brasil, que devem fazer o nosso PIB crescer pelo menos 3%”, explica Dilson Ferreira, presidente-executivo da Abrafati. “Uma mudança nesse cenário, com o agravamento na atual situação, pode nos levar a uma revisão desse percentual”.

Com o cenário atual, a previsão é de que continue forte a demanda por tintas imobiliárias, em função das reformas, da autoconstrução e da renovação da pintura de imóveis, propiciadas pela manutenção do alto nível de emprego, pelo aumento da renda das novas classes médias, pela facilidade para obter crédito e pela manutenção da redução do IPI para materiais de construção civil. O investimento governamental em habitação de interesse social terá continuidade, assim como seguirão sendo construídos novos imóveis residenciais e comerciais. “Tudo isso já vem repercutindo na venda de tintas imobiliárias e continuará a ter impacto positivo”, afirma Dilson Ferreira.

Indústria de tintas prevê crescimento de 4,0% em 2012As vendas de tintas automotivas – para uso em veículos novos e na repintura de usados – também crescerão, em função da redução da proporção dos veículos estrangeiros (que já chegam pintados) nas vendas totais e, especialmente, do maior poder de compra da população. Esse mesmo motivo tem elevado a demanda por todo tipo de bens de consumo, repercutindo nas vendas de tintas para a indústria, que terão desempenho favorável em função disso e das obras de infraestrutura.

“Os fatores que têm levado ao crescimento das vendas de tintas são estruturais e não circunstanciais. Temos um caminho repleto de oportunidades, que estão ligadas às primeiramente às perspectivas futuras do País, envolvendo significativos investimentos em habitação e infraestrutura, a expansão dos segmentos ligados à exploração e distribuição do petróleo e gás, o fortalecimento do mercado interno com a inclusão de novos contingentes nas classes médias, a realização de grandes eventos globais, o crescente interesse estrangeiro pelo Brasil, entre outros aspectos. Por isso, acreditamos em um ciclo duradouro de bons resultados, que nos fará alcançar a marca de 2 bilhões de litros anuais vendidos antes de 2020”, avalia Dilson Ferreira.

Em 2011, a indústria de tintas cresceu 1,7% em relação ao ano anterior, em função das incertezas econômicas no mundo e do menor ritmo de crescimento da economia brasileira, que tiveram impacto no consumo de todos os tipos de tintas e na velocidade de reposição, no varejo, das tintas imobiliárias.

Autor(es): Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia