Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Exportações brasileiras para os países árabes crescem 20,3%

Construção civil, alimentos, moda e maquinários estão entre os setores que deverão representar maior potencial de exportação em 2012.

Mais notícias relacionadas a comércio internacional:

Taiwan: mercado promissor de produtos siderúrgicos
Cenário dos laminados planos é dominado pela China Steel Corporation (CSC), única empresa com usinas ...


O que são exportações invisíveis
Também conhecidas como exportações intangíveis, incluem pagamentos, licenciamento e repatriação de lucros entre empresas.


Camex anuncia redução de imposto de importação até 2014
Máquinas e bens de informática não produzidos no Brasil


Exportações brasileiras para os países árabes crescem 20,3% As exportações brasileiras para os países árabes totalizaram US$ 15,13 bilhões em 2011, um crescimento de 20,3% em relação ao ano anterior. As importações brasileiras provenientes dos países árabes também evoluíram, fechando 2011 com US$ 9,98 bilhões, uma alta de 43,36% na comparação com 2010. Assim, a corrente comercial (exportações + importações) totalizou US$ 25,13 bilhões, 28,67% superior ao movimentado em 2010. O resultado em divisas nas operações bilaterais é visivelmente favorável ao Brasil, registrando um superávit de US$ 5,15 bilhões em 2011.

Segundo a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, a expansão do comércio internacional entre o Brasil e os países árabes deverá continuar em ritmo expressivo também este ano. “As perspectivas para 2012 são otimistas e nossa projeção é de que teremos um aumento de 10% a 15% nos negócios entre brasileiros e árabes”, diz Salim Taufic Schahin, presidente da entidade.

Schahin avalia que, mesmo num cenário de crise global, o otimismo se justifica em razão da força econômica representada pelos 22 países que formam a Liga Árabe. “Em seu conjunto, o bloco árabe fica entre as dez economias mais importantes do mundo.”

Missões, feiras e eventos para diversos países do mundo árabe são algumas das atividades que a Câmara Árabe promove com frequência para fomentar as relações comerciais entre os povos. “Há muitas oportunidades que podem ser exploradas ao longo de 2012 para diversificar ainda mais essa relação comercial, com oportunidades em diversos segmentos da economia”, afirma Michel Alaby, CEO da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Construção civil, alimentos, moda e maquinários estão entre os setores que, segundo Alaby, deverão representar maior potencial de exportação. “Considerando-se a análise das importações per capita, os países árabes compram mais bens dos setores alimentício, construção e moda do que a média mundial, o que permite considerar que estes setores são potenciais nestes mercados”, observa Alaby.

Exportações

Exportações brasileiras para os países árabes crescem 20,3% Cinco países despontaram como os principais destinos dos produtos brasileiros para o mundo árabe em 2011: Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes, Argélia e Omã. Dos US$ 15,13 bilhões exportados pelo Brasil, a Arábia Saudita respondeu por US$ 3,48 bilhões, uma evolução de 12,19% a mais que o total verificado em 2010. Em seguida vêm o Egito, com US$ 2,62 bilhões (+33,37%), e os Emirados Árabes, com US$ 2,17 bilhões (+16,94%). A Argélia, com US$ 1,50 bilhão, teve um expressivo avanço, de 78,09%, em relação a 2010, expansão superada apenas pelos espantosos 449,59% registrados por Omã, num total de US$ 831,79 milhões.

Por região, os países do Golfo Arábico continuaram a liderar as compras do Brasil, num total de US$ 8,17 bilhões, crescimento de 20,76% na comparação com 2010. Para os países do Norte da África, o total exportado foi de US$ 5,69 bilhões, apresentando um acréscimo de 29,02%. Já os países do Levante importaram US$ 1,27 bilhão do Brasil, uma redução de 1,84% quando comparado com o ano anterior.

As exportações tiveram um crescimento devido principalmente ao desempenho de três produtos: açúcares, com vendas de US$ 4,62 bilhões (+19,81%); minérios, US$ 2,97 bilhões (+34,82%); e cereais, US$ 1,17 bilhão (+96,83%). As carnes, porém, continuam na vice-liderança da pauta de exportações, com vendas totais de US$ 3,55 bilhões (+9,89%), só superadas pelos açúcares.

Importações

As importações brasileiras provindas dos países árabes cresceram 43,36% na comparação com 2010 e a Argélia está no topo dos que mais venderam ao Brasil, com US$ 3,14 bilhões, 32,84% a mais que em 2010. Em seguida vêm a Arábia Saudita, com US$ 3,09 bilhões (+ 50,21%); o Marrocos, com US$ 1,20 bilhão (+ 79,84%); o Iraque, com US$ 898,19 milhões (+ 21,59%); e os Emirados Árabes, com US$ 478,67 milhões (+ 169,87%).

Na análise por região, os países do Golfo Arábico foram os que obtiveram maior crescimento nas exportações para o Brasil (+54,46%), com US$ 4,25 bilhões exportados. No entanto, os países do Norte da África exportaram mais em termos de valor (US$ 4,79 bilhões), com crescimento de 40,06%. Já o Levante, com US$ 946 milhões em exportações para o Brasil, 19,93% a mais que em 2010.

Entre os produtos que o Brasil mais compra dos árabes estão os combustíveis minerais, num total de US$ 8,03 bilhões importados (+39,77%); adubos ou fertilizantes, US$ 1,15 bilhão (+76,02%); sal, enxofre, gesso, cal e cimento, US$ 261,12 milhões (+51,20%); e plásticos e derivados, US$ 176,69 milhões (+ 53,61%).

Sobre a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira

Fundada em 1952, a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira tem como missão aproximar comercialmente o Brasil dos países árabes, incrementando intercâmbios culturais e turísticos entre árabes e brasileiros. A Câmara Árabe oferece diversos serviços, como Certificação de Documentos, Informações de Mercado, Traduções, entre outros, e realiza eventos, workshops e cursos. Disponibiliza, também, o Espaço do Conhecimento Comercial, um centro de referência para pesquisas das relações entre o Brasil e os países árabes.

A entidade representa 22 países árabes - Arábia Saudita, Argélia, Bahrein, Catar, Djibuti, Egito, Emirados Árabes Unidos, Iêmen, Ilhas Comores, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Líbia, Marrocos, Mauritânia, Omã, Palestina, Síria, Somália, Sudão e Tunísia – além do Brasil.

Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a comércio internacional:

Importação de produtos químicos da Índia

A indústria química indiana está em franca expansão. O setor proporciona hoje um grande volume de negócios dentro e fora do país. Produtos químicos ...
Pesquisa mostra recuperação da indústria chinesa

A produção industrial na China melhorou neste mês de outubro, dando sinais de que uma recuperação pode estar tomando forma depois de uma queda acentuada da segunda ...
Definição de certificado de origem

O certificado de origem é um documento importante no comércio internacional que atesta que os bens em um embarque de exportação específico são inteiramente obtidos, produzidos, fabricados ...
Diferença entre marca de serviço e marca registrada

Se você fabrica um produto ou oferece um serviço, provavelmente quer que sua empresa tenha uma identidade única para permitir que seus clientes saibam a origem do produto ou ...
Modelos de comércio internacional

Modelos de comércio internacional têm sua origem na teoria da vantagem absoluta apresentada por Adam Smith, que demonstrou que era benéfico para um país se especializar ...
Déficit em químicos alcança US$ 12,0 bi no primeiro semestre

As importações brasileiras de produtos químicos totalizaram mais de US$ 19,4 bilhões no primeiro semestre de 2012, enquanto as exportações somaram US$ 7,4 bilh ...
China pretende criar zona de conversão da moeda

A China planeja criar uma zona especial para experimentar com a convertibilidade da moeda em Shenzhen (foto), cidade em que introduziu as principais reformas econômicas há três d ...

Comércio Internacional
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Comércio Internacional


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google