Fiat relata lucro de €866 milhões no primeiro trimestre No primeiro trimestre do ano, as receitas do Grupo Fiat totalizaram €20,0 bilhões, EBIT de €895 milhões, e lucros líquidos de €379 milhões. A dívida industrial líquida foi de €5,8 bilhões e a liquidez disponível aumentou para €21,4 bilhões. Os lucros comerciais de €866 milhões foram €101 milhões melhores do que o 4º trimestre de 2011 e a produção total das empresas do grupo superou 1 milhão de unidades. Os resultados foram divulgados ontem na sede do grupo em Turim, na Itália.

A região da América do Norte gerou €670 milhões de lucros comerciais, ou 77% do total. A América Latina gerou €235 milhões (27%) e o Pacífico Asiático gerou €77 milhões (9%). Os negócios Marcas de Luxo e Desempenho e Componentes contribuíram €71 milhões e €36 milhões, respectivamente. A dívida industrial líquida foi de €5,8 bilhões (€5,5 bilhões, ao final de 2011) sobre dispêndios de capital aumentados, com a geração de caixa da Chrysler compensando grandemente a absorção pelo resto do Grupo, principalmente devido a volumes reduzidos na Europa. A liquidez total disponível melhorou para €21,4 bilhões, incluindo um total de €1,2 bilhões de títulos emitidos durante o trimestre e €2,9 bilhões em linhas de crédito não utilizadas. Com os resultados, o Grupo confirma suas diretrizes para o ano todo.

Automotiva registrou mais de três quartos do lucro na América do Norte

                                 Automotiva registrou mais de três quartos do lucro na América do Norte

As Receitas do Grupo foram de €20,2 bilhões para o trimestre. Excluindo-se a Chrysler, as receitas líquidas foram de €8,7 bilhões, refletindo, principalmente, os declínios de volume na Europa, onde as condições comerciais continuam fracas para carros de passageiros e veículos comerciais leves, especialmente na Itália. As Marcas de Luxo e Desempenho aumentaram suas receitas em 11,5% para €0,7 bilhões, e Componentes ficaram estáveis, a €2,0 bilhões.

Os lucros comerciais para o 1º trimestre de 2012 foram de €866 milhões. Excluindo-se a Chrysler, os resultados comerciais ficaram em um ponto de equivalência, em comparação com um lucro de €251 milhões no 1º trimestre de 2011. O declínio reflete, principalmente, a redução de volume na Europa e a crescente pressão de precificação na América Latina, e os custos de lançamento dos novos produtos Grand Siena e Chrysler, que foram só parcialmente compensados por eficiências industriais, maior realização das sinergias do grupo e ações de contenção de custos. Para as Marcas de Luxo e Desempenho, os lucros comerciais aumentaram 14,5%, para €71 milhões, e para Componentes, ficaram alinhados como o ano anterior.

-----------------------------------------------------
Indicador de empresas:
Soluções de publicidade do portal Manutenção & Suprimentos
----------------------------------------------------------------------------

O EBIT (Lucros Antes de Juros e Impostos, definidos como o resultado comercial, mais eventuais, e resultados líquidos de investimentos) foi de €895 milhões. Excluindo-se a Chrysler, o EBIT foi de €12 milhões. Regionalmente, para marcas do mercado em massa, os lucros da América do Norte (NAFTA) cresceram (em bases pro-forma) mais de 80%, para €681 milhões, impulsionados por um forte crescimento de volume, e no Pacífico Asiático (APAC), os lucros cresceram 143%, para €85 milhões, com melhorias de volume e de margem.

As despesas financeiras líquidas totalizaram €375 milhões. Excluindo-se a Chrysler, as despesas financeiras líquidas foram de €166 milhões. Os lucros antes dos impostos foram de €520 milhões. A dívida industrial líquida, no dia 31 de março de 2012, foi de €5,8 bilhões. Para a Fiat, excluindo-se a Chrysler, foi de €3,8 bilhões, com um aumento de €1,4 bilhões em relação ao final de 2011 (€2,4 bilhões), refletindo o impacto sobre o capital de giro das condições comerciais na Europa e crescentes dispêndios de capital.

Liquidez total disponível, incluindo linhas de crédito comprometidas não utilizadas de €2,9 bilhões, melhorou de €21,4 bilhões (€20,7 bilhões ao final do ano 2011), dos quais 12 bilhões se relacionam à Fiat, excluindo-se a Chrysler, e €9,4 bilhões à Chrysler. Os €1,2 bilhões em títulos emitidos durante o trimestre representam mais de 80% da cobertura de vencimentos de títulos em 2012, que se relacionam à Fiat, excluindo-se a Chrysler.

Autor(es): Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas