A aplicação de força faz com que o ar pressurizado dentro do amortecedor a gás seja comprimido. Esta ação faz com que a resistência seja forte e permite que parte da energia do choque possa ser absorvida pelo gás antes de ser dissipado, a fim de proteger os componentes adjacentes ou equipamentos mais sensíveis, nos quais foram escolhidos para se obter essa proteção adicional.

Empresas relacionadas a amortecedores a gás

Damol Indústria e Comércio de Molas Ltda

Rua Paschoalina Roque Giusti, 60 - São Paulo - SP - CEP: 08270-465
Telefone fixo: (11) 2521-6539
E-mail: [email protected]
http://www.damol.com.br/

SOBROU MATERIAL DE CONSTRUÇÃO DA SUA OBRA OU DE SUA REFORMA?

Rua João Borges, 409 - Londrina - PR - CEP: 86063-290
Celular: (43) 9649-6262
E-mail: [email protected]
http://WWW.TROCATUDOCONSTRUCAO.COM.BR/

Apesar de as molas de metal serem muitas vezes ser utilizadas em aplicações semelhantes e com resultados bastante semelhantes também, os amortecedores a gás proporcionam uma absorção de choque mais suave e um melhor amortecimento, bem como a capacidade de controlar a taxa de movimento. Isto acontece porque a compressão e a descompressão dentro dessas molas a gás ocorrem próximas a taxas constantes, permitindo que os engenheiros possam projetar elementos sem a preocupação com a parte traseira que sofre pressão e que normalmente ocorre com molas mecânicas. O tamanho compacto e a operação de limpeza destes dispositivos também tornam seu uso bem vantajoso em muitas operações onde o espaço é uma questão importante.

Eles também podem ser ajustados conforme o necessário enquanto as molas mecânicas devem ser prioritariamente substituídas quando gastas ou inadequadas. Mecanismos de ajuste e travamento devem ser considerados, bem como as especificações adicionais físicas, tais como tamanho do cilindro, largura máxima e configurações de montagem. Especificações de desempenho, como por exemplo, temperaturas da área de trabalho, força máxima, ciclos por minuto e máxima capacidade de carga também devem ser compatíveis com o uso pretendido.

Enquanto os modelos individuais irão variar ligeiramente, o projeto básico e a operação são semelhantes como um todo, porém são usados em muitas aplicações diferentes. A haste é basicamente configurada como um cilindro pneumático. É selada ao corpo tubular junto com todos os outros componentes, e é na maioria das vezes feita de aço, aço inoxidável, alumínio ou um termoplástico durável, conforme necessário para atender as condições de uma determinada aplicação. O exterior e, especialmente, a superfície interna são polidas para que uma superfície lisa possa reduzir o atrito desnecessário para a cabeça do pistão que é colocado ao longo da seção transversal e que desliza ao longo do cano, quando ativado pela força sobre a haste em anexo. Esta haste é fixada internamente ao pistão, mas externamente ao equipamento que é propício para apoiar ou proteger. A força elastomérica ou do metal fornecem ao anel de vedação um fechamento hermético em torno de ambos os pontos de saída para a haste e a cabeça do pistão, dividindo assim a câmara principal em dois compartimentos menores e herméticos. Gás de alta pressão está contido em um destes cilindros em quantidades precisas. Quando a força é aplicada à haste ou mecanismo em anexo, o pistão é empurrado em direção ao lado oposto do cilindro, assim comprimindo o gás. Essa ação permite que a energia seja dissipada e o movimento diminua, conforme necessário para isolar a vibração. Quando acontece o desaparecimento da força externa, a pressão do gás comprimido move a biela de volta para sua posição de repouso.