Os amortecedores de uretano são peças de proteção, cuja função é absorver o choque ou impedir contato. Uma vez que eles são formados a partir do uretano, que é um elastômero contendo partes de carbamato de uretano, este tipo de produto tem muitas vantagens sobre os elastômeros convencionais e materiais plásticos.

Empresas relacionadas a amortecedores de uretano

Telas Touch Screen

Rua Rui Barbosa, 1775 - Joinville - SC - CEP: 89220-100
Telefone fixo: (47) 3121-9591 - Telefone fixo: (47) 3418-0342
E-mail: marketing@clpcenter.com.br
http://www.clpcenter.com.br/

Koriyama Revestimentos Poliuretano Ltda.

Rua João Manoel, 790 - Arujá - SP - CEP: 07400-000
Telefone fixo: (11) 4679-2155
E-mail: contato@koriyama.com.br
http://koriyama.com.br/

Existem dois tipos principais de uretanos usados para moldar essas peças, sendo eles: uretanos a base de éster e éter-uretano. Os uretanos de base éster são caracteristicamente mais suaves, enquanto os uretanos com base em éter são mais duros. Além disso, os uretanos éster oferecem excelente recuperação da compressão, enquanto os uretanos éter tem melhor resistência UV. Esses modelos são frequentemente utilizados na indústria automobilística, mas também são usados em indústrias, tais como na fabricação de: eletrônicos, eletrodomésticos, construção civil, entre outras.

Como um elastômero termofixo, o uretano é curado por meio de calor e uma vez que esteja no ponto, não há nenhuma maneira de alterar sua forma, ao contrário do plástico que pode passar pelo procedimento de amolecimento térmico, e ainda ser reaquecido ou reformado. Para criar forma, o uretano pode passar por vários processos existentes. A fim de iniciar o processo de moldagem, o mesmo deverá ser feito na forma desejada. E também, ele deve ser criado através de um revestimento padrão de borracha à base de silicone líquido.

O processo de moldagem mais comum usado para formar amortecedores de uretano é o de moldagem por injeção de reação (RIM). Para iniciar este processo, o uretano é misturado com um componente poliisocianato e depois injetado com uma pistola de baixa pressão pneumática para preencher os orifícios que foram feitos no molde. Em seguida, o molde é colocado em um ambiente pressurizado, que serve para comprimir as bolhas de ar que podem ter se desenvolvido e ficam presas durante o processo de injeção.