O blister engloba um grande grupo dos pré-formados de embalagem termoplástica, que consiste em peças semi-rígidas, em forma de conchas de plástico. Estas formas podem consistir de duas partes de plástico selados, como acontece com os formatos conchas, ou podem ser feitos com papelão ou alumínio, conforme o necessário para melhor se adequar a uma determinada aplicação.

Empresas relacionadas a blister

Telas Touch Screen

Rua Rui Barbosa, 1775 - Joinville - SC - CEP: 89220-100
Telefone fixo: (47) 3121-9591 - Telefone fixo: (47) 3418-0342
E-mail: marketing@clpcenter.com.br
http://www.clpcenter.com.br/

Agris Embalagens Indústria e Comércio Ltda.

Avenida Ferraz Alvim, 1012 - Diadema - SP - CEP: 09961-550
Telefone fixo: (11) 4051-1243
E-mail: vendas@agrisembalagens.com.br
http://www.agrisembalagens.com.br/

Embora usado principalmente em embalagens, esse tipo de design se torna popular em um grande número de processo de manufatura como nos fabricantes de alimentos e bebidas, artigos esportivos, eletrônicos, assistência médica, eletrodomésticos, automotivos, cosméticos e de telecomunicações. Não é apenas o design, mas o preço e a alta resistência ao peso excessivo faz do seu uso muito popular. Estes materiais são benéficos porque são claros, seguros e permitem a exibição de itens diversos, tais como brinquedos, cápsulas de remédio, peças de hardware e eletrônica. Medicamentos de dose única, tais como lentes de contato e pílulas anticoncepcionais também são comumente acondicionados dessa forma, pois proporcionam clara quantidade de dosagem e instruções com uma barreira de proteção estéril. A vedação hermética do blister melhora a vida dos produtos de base alimentar e médica, sendo que também criam um fecho resistente e inviolável para uma maior segurança do consumidor. As embalagens bolha podem ser individuais ou unidas para formar o que é conhecido como um cartão de bolha.

Um dos processos mais utilizados, o vácuo, forma produtos plásticos, ou embalagens que podem ser produzidas através da moldagem a vácuo, termoformagem, ou pressão, quando necessário. Cada técnica envolve uma linha de montagem conhecida como bolha de linha, que executa uma série de processos. Em geral, a formação de vácuo começa com uma folha de plástico a partir de um rolo ou extrusora, que é alimentado em um estágio de pré-aquecimento, utilizando aquecedores a gás, infravermelho ou elétrico para aquecer a folha para a temperatura em que elas se tornem macias e maleáveis. A folha quente é então encaminhada a uma estação específica, onde ela é pressionada em um molde, normalmente o inverso do produto a ser contido. O vácuo é usado para puxar o material para dentro do molde, enquanto o material resfriado volta a um estado rígido. Inverter o fluxo de ar pode ser usado para quebrar o vácuo, prender e retirar o artigo recém-produzido, que então sofre um corte do revestimento, conforme necessário. A conformação a frio pode também ser utilizada na fabricação de embalagens, mas é mais cara e demorada, em comparação com os métodos de moldagem mencionados anteriormente e, portanto, é pouco utilizada. Em qualquer caso, suportes de papelão e folhas de plástico são aplicadas no uso de adesivos, enquanto as folhas de plástico são soldadas ou seladas uma vez que o produto foi devidamente acabado. A folha de plástico são geralmente feitas de cloreto de polivinilo transparente ou PVC.