Os blocos de freio são componentes mecânicos que integram qualquer sistema de frenagem em que se exerce pressão sobre um disco de freio ou qualquer superfície de giro de uma roda para reduzir a sua velocidade devido ao aumento do atrito. Outros termos são utilizados, como almofadas e sapatas de freio, mas o mais comum e amplamente utilizado é de fato bloco, que são localizados no contorno de uma roda ou tambor.

Empresas relacionadas a blocos de freio

Arter Freios e Embreagens Ltda.

Rua dos Narcisos, 84 - São Paulo - SP - CEP: 04048-040
Telefone fixo: (11) 5594-8333 - Telefone fixo: (11) 5589-2422
E-mail: arten@arten.com.br
http://www.arten.com.br/

Super Import - Peças Importadas

Avenida Pereira Barreto, 1350 - Santo André - SP - CEP: 09190-210
Telefone fixo: (11) 4422-4200
E-mail: super.import@hotmail.com
http://www.superimport.com.br/

Estes dispositivos são utilizados nos setores automotivos, ferroviários, e indústrias de bicicletas e indústrias em geral, para ajudar a controlar a velocidade e parar os veículos. Como os sistemas de transportes ferroviários de frenagem são muito diferentes dos freios de bicicletas, esses componentes diferem significativamente em tamanho e composição dos materiais, para atender às necessidades específicas de cada indústria. Embora originalmente feito de madeira, o ferro fundido tornou-se um material muito popular. Os avanços tecnológicos, no entanto, já permitem uma grande variedade na fabricação dos blocos de freio. Os riscos de saúde relacionados com o uso das fibras de amianto limitaram sua utilização tornando os compostos semi-metálicos e cerâmicos mais comuns. As fibras minerais como celulose, fibras de aramida, vidro moído, aço, cobre e compostos de cerâmica são utilizados em uma variedade de combinações. Estes compostos são misturados e sintetizados em medidas precisas para permitir a frenagem ideal. É importante considerar a taxa de desgaste, a longevidade, o desempenho e o manuseio do material quando for selecionar um bloco de freio. Os materiais livres de centelhas, por exemplo, são necessários em ambientes onde as rodas e os freios podem encontrar petróleo ou outras substâncias inflamáveis, como os de ferro fundido onde se pode produzir pó de ferro quente quando esfregado contra a roda ou disco.

Existem dois tipos principais, o tipo "L" e o tipo "K". Estas denominações foram dadas como a forma de cada letra do alfabeto semelhante ao correspondente inglês. Os do tipo "L" são usados predominantemente em ambientes industriais ou veículos como os vagões enquanto que os do tipo "K" são mais comumente aplicados aos comboios de passageiros, como carros, ônibus e outros. O processo básico de frenagem continua a ser o mesmo para qualquer situação. Quando uma alavanca ou pedal é pressionado, ele libera o líquido de freio, que é colocado sob pressão e distribui ao mecanismo de frenagem para cada roda simultaneamente. Uma pequena bomba hidráulica é acoplada ao bloco de freio. Este componente do bloco é geralmente de metal ou cerâmica durável e o bloco propriamente dito de borracha rígida é preso com rebites ou fortes adesivos. O bloco pressiona o disco de freio em um aro ou na própria roda. O atrito criado pelo contato entre os dois materiais faz com que a roda retarde seu movimento na proporção da quantidade de pressão aplicada. Como esse processo libera uma grande quantidade de calor, eles devem ser capazes de dar conta da expansão térmica de todos os componentes. A experiência de campo, bem como a engenharia química e de materiais permitem avanços constantes no projeto destes blocos de freio e os respectivos materiais de atrito utilizados para produzi-los. Esses avanços resultam na manutenção e custos operacionais reduzidos, maior vida útil, melhor funcionalidade e satisfação dos consumidores em geral.