Bobinas de bloqueio são modelos elétricos que trabalham para bloquear as correntes iguais ou opostas. Embora elas forneçam uma função muito específica, podem ser utilizadas em uma ampla gama de aplicações, incluindo: geração de energia, a fim de proteger as linhas de alimentação da interferência eletromagnética (EMI) ou interferência de rádio frequência (RFI); no setor automotivo, elas servem para uso em motores; na eletrônica, se destinam a proteger os aparelhos elétricos das EMI e RFI, que poderiam gerar avarias.

Empresas relacionadas a bobinas de bloqueio

Jarzynski Elétrica LTDA

Avenida dos Estados, 2215 - Porto Alegre - RS - CEP: 90200-001
Telefone fixo: (51) 3026-7000
E-mail: [email protected]
http://www.jarzynski.com.br/

KFF Automação

Rua Júlia Santos Paiva Rio, 120 - São Paulo - SP - CEP: 04679-000
Telefone fixo: (11) 3862-0988
E-mail: [email protected]
http://www.kffautomacao.com/

Existem vários tipos diferentes e uma das principais diferenças entre os tipos de construção é o material do núcleo, que pode incluir pó de ferro, materiais ferromagnéticos, não-magnéticos e ferrite. O tipo de metal escolhido depende do nível de condutividade desejada.

As bobinas de bloqueio, também conhecidas como de reatância, são modelos elétricos de baixa resistência com alta indutância que são utilizadas ​​para bloquear a alta frequência em corrente alternada (CA) de energia elétrica, permitindo que a baixa frequência passe em corrente contínua (CC). Como componentes passivos, dependendo da propriedade de auto indutância, são capazes de operar com base na geração de uma força eletromotriz (FEM) em um circuito que resulta na mudança da corrente. Durante o processo para enviar um sinal através de um circuito, a ideia é deixar o sinal desejado passar, enquanto outros sinais indesejados são capturados pelo filtro. Um tipo de sinal que não é desejado comumente chamamos de ruído, que normalmente é filtrado em qualquer transmissão.

Os indutores, tais como as bobinas de reatância, são similares aos capacitores com uma diferença fundamental na forma como funcionam. Ambos, os indutores e capacitores armazenam cargas elétricas que passam através deles. Os capacitores são capazes de armazenar a carga dentro de um isolador localizado entre dois condutores. Ela armazena a carga elétrica no campo magnético criado ao seu redor em vez de em qualquer parte específica do componente em si. Ambas as partes são utilizadas ​​em circuitos eletrônicos, mas os capacitores normalmente armazenam cargas elétricas, enquanto as de reatância os filtram.

Estes modelos trabalham para bloquear as correntes de modo comum durante a passagem do diferencial de potencial (DDP), sejam elas iguais ou opostas.

Frequentemente utilizada em aplicações de proteção contra EMI e RFI, existem duas categorias principais utilizadas em circuitos de rádio, as de frequência de áudio (bloqueio AF – Áudio e Frequência) e de estado sólido, que também são conhecidas como reator eletrônico. As de bloqueio AF, como o nome sugere, são projetadas para serem utilizadas com aplicativos de áudio e freqüência, e como resultado, tem um núcleo construído a partir de ferromagnético que permite o aumento da capacidade de indução, assim como a de indução. Dentro desta categoria, podem haver outras categorizações com base em quão alto uma frequência é capaz de trabalhar. Para frequências moderadamente altas, estes modelos normalmente possuem um núcleo construído a partir de pó de ferro ou ferrite, enquanto para frequências muito elevadas na maioria das vezes possuem um núcleo construído a partir de material não magnético. Os núcleos não magnéticos poderiam ser tão simples, como por exemplo exigir, apenas que o ar circunde a bobina. Quando se trata dos reatores eletrônicos, podemos afirmar que estes dispositivos são capazes de operar com frequências ainda maiores do que as de bloqueio. Além disso, os reatores eletrônicos são capazes de reduzir os altos níveis de ruído normalmente associados com frequências mais altas. Outros tipos incluem a média frequência (MF), rádio de alta frequência (HF) e de muito alta frequência (VHF).

Para se dimensionar a melhor opção para utilização em um circuito, um engenheiro deve olhar para a resistência de corrente contínua, a tensão e o nível de indutância do dispositivo. Esses fatores determinam a forma mais eficiente para a escolha de um modelo no que tange o seu melhor funcionamento, permitindo a passgem das correntes corretas, e bloqueando as indesejadas. A frequência a ser transmitida determina os melhores tipos que se pretende utilizar.