Também conhecidas como bobinas de faíscas, as de ignição são um tipo usado para transformar tensões mais baixas de energia em voltagens mais altas de energia, um fator necessário para acionar um sistema de velas. Muito similar a um transformador elétrico, os modelos têm ambos os circuitos primário e secundário sinuosos.

Empresas relacionadas a bobinas de ignição

Jarzynski Elétrica LTDA

Avenida dos Estados, 2215 - Porto Alegre - RS - CEP: 90200-001
Telefone fixo: (51) 3026-7000
E-mail: fernanda@jarzynski.com.br
http://www.jarzynski.com.br/

KFF Automação

Rua Júlia Santos Paiva Rio, 120 - São Paulo - SP - CEP: 04679-000
Telefone fixo: (11) 3862-0988
E-mail: fmilanez@polybelt.com.br
http://www.kffautomacao.com/

Mesmo que eles sejam usados em um sistema maior de ignição, os tipos podem ser considerados componentes mais essenciais do sistema. Isso porque o sistema seria ineficaz sem a tensão de ignição de alta energia que é fornecida. A aplicação mais comum é na indústria automobilística, em que são empregadas para sistemas de ignição do veículo, como nos carros, minivans, caminhões, utilitários, motocicletas e muito mais. No entanto, também são aproveitadas em aplicações das indústrias complementares, tais como: na linha produção industrial, em equipamentos de manuseio de materiais, incluindo empilhadeiras e pontes rolantes móveis, na agricultura, em equipamentos agrícolas como tratores, colheitadeiras e enfardadeiras e no lazer, para os veículos off-road e carrinhos de golfe. Elas não precisam apenas ser fabricadas a partir de materiais condutores como o cobre ou prata, mas também podem ser confeccionadas a partir de materiais que oferecem resistência à alta temperatura.

As funções abrangem acender as velas de ignição por meio da transformação do fluxo de corrente da bateria do veículo (normalmente de 12 volts ou 6 volts) nos muitos milhares de volts (20.000-30.000) exigidos pelas velas. Uma bobina de ignição é semelhante a outros tipos elétricos, sendo que ela consiste de um núcleo e fios envoltos no núcelo (um primário e um secundário). A primária é geralmente fabricada a partir de um calibre muito pesado de cobre, isolado em materiais de proteção para que o fluxo, ao desativar ou pular de um ciclo para outro, não provoque, consequentemente, curtos-circuitos no sistema. A primária geralmente contém, aproximadamente, de 100 a 150 voltas de fios. A secundária, por outro lado, normalmente é fabricada a partir de um calibre muito fino de cobre, que também deve ser isolado e protegido contra curtos-circuitos no sistema. A secundária contém muitas voltas, bem mais do que a primária, geralmente variando de 15.000 a 30.000. A secundária é instalada no interior da primária e ambas são enroladas em torno do núcleo. Normalmente, em forma cilíndrica, o núcleo de uma bobina de ignição é fabricado a partir de ferro macio, que é preenchido com óleo que serve como um refrigerante, permitindo que o núcleo suporte elevadas temperaturas alcançadas pelo fluxo de corrente.