As bobinas de indução são um tipo de descarga disruptiva. Usadas para transformar baixas voltagens direcionadas de corrente de fluxo contínuo (CC) em pulsos de alta tensão ou em correntes alternadas de alta tensão (AC), os modelos foram originalmente desenvolvidos em 1836 e anteriormente conhecidos como bobinas de Ruhmkorff (apesar de terem sido realmente inventadas por um cientista chamado Nicholas Callan).

Empresas relacionadas a bobinas de indução

KFF Automação

Rua Júlia Santos Paiva Rio, 120 - São Paulo - SP - CEP: 04679-000
Telefone fixo: (11) 3862-0988
E-mail: [email protected]
http://www.kffautomacao.com/

A expressão “indução” refere-se ao ato de gerar força eletromotriz (FEM) em um circuito fechado por meio de uma mudança no fluxo de corrente. Os tipos de ignição e de indução compartilham a denominação de "bobinas de ignição", já que é um tipo de indução. De todos os tipos existentes no mercado industrial, as de indução estão entre as mais utilizadas e em diversas indústrias, incluindo: indústrias médicas, em equipamentos de imagem, tais como máquinas de raio-x; no setor eletrônico, para equipamentos como transmissores de rádio sem fios, circuitos telefônicos, câmeras e luzes estroboscópicas; indústria automotiva, para uso em sistemas de ignição para veículos com motores de combustão interna, como carros, caminhões e vans; na agricultura, sndo empregadas em máquinas agrícolas, como colheitadeiras e tratores; e na produção industrial, para uso em peças de alimentação e equipamentos, tais como tubos de vácuo. Também são empregadas para aplicações de aquecimento, tais como em fornos industriais.

São compostas por quatro partes principais: um núcleo ferromagnético, uma bobina primária, uma secundária e um interruptor. O núcleo ferromagnético é normalmente fabricado a partir de ferro maciço, aço sólido ou pó de ferro, apesar de o ferro maciço ser, provavelmente, o mais popular entre os três materiais. A primária é constituída de um forte de fio metálico condutor, geralmente de cobre, que é enrolado em torno do núcleo (o que é chamado de enrolamento em turnos). O enrolamento primário é ligado à fonte de energia de baixa tensão CC. A secundária possui fios de espessura mais fina do que um fio de metal condutor, e em vez de ser enrolada diretamente ao redor do núcleo, a secundária é enrolada sobre a primária. A secundária, como é feita a partir de um calibre mais fino, é composta por muitas mais voltas do que a primária. A secundária não está ligada à fonte de alimentação CC, em vez disso, está ligada a tudo o que necessita de alimentação, servindo como uma saída de alta tensão do fluxo de corrente alternada. As funções do interruptor dentro da bobina do indutor servem para garantir uma conexão rápida, bem como rompimento da corrente que flui para a primária.