As cordas são muito importantes em ambientes industriais, e elas têm muitos usos em contextos comerciais e no consumo residencial também. Particularmente em contextos marinhos, são essenciais para proteger embarcações em docas, e elas também podem ser importantes na contenção de cargas em navios.

Os navios maiores, bem como os barcos menores devem ser todos protegidos por uma corda forte durante a ancoragem. Em um ambiente marinho, o tipo trançado é usado quase que exclusivamente devido à sua força. As embarcações são quase sempre empurradas ou puxadas por correntes, que fluem com intensidade variável e podem às vezes ser muito forte. A fim de suportar a constante força causada por correntes, as linhas de ancoragem e cabos de amarração devem ser fortes o suficiente para suportar as tensões que mudam frequentemente, independente das condições meteorológicas e da constante exposição à umidade.

Quando uma corda trançada tem o núcleo presente, ela não podem ser emendada. Quando não existe núcleo, é referida como uma trança oca. O maior benefício do modelo oco é sua capacidade de ser emendada. Se ambos são trançados, ela passa a ser conhecida por dupla trança. Este tipo é mais forte e mais cara. Para quem não faz ideia, a trança sólida é muito firme, redonda, e bem tecida com uma construção de bloqueio especial, que impede a mesma de ser cortada ou rasgada. A versão trançada sólida é especialmente utilizada para o transporte de blocos e polias, afinal de contas elas são bem resistentes. No entanto, não podem ser emendadas. Uma corda de polipropileno, por exemplo, flutua sobre a água, tornando-se particularmente útil para a ancoragem de pequenas embarcações de lazer, caso caia acidentalmente na água, sendo que o modelo de polipropileno não vai afundar. Outras fibras oferecem diferentes qualidades de flutuação, força, resistência de modelagem, resistência ao calor e mais características importantes. Ao selecionar o modelo correto, confira qual é sua real necessidade.